Internacional

AQUECIMENTO GLOBAL

Madri: Uma verdadeira maré humana se mobilizou contra as mudanças climáticas

Centenas de milhares de pessoas estiveram nas principais avenidas do centro madrilenho em marcha pelo clima para protestar contra a COP25 que foi retirada do Chile por medo da mobilização popular.

segunda-feira 9 de dezembro de 2019| Edição do dia

Segundo os organizadores, meio milhão de pessoas se mobilização esta sexta feira, dia 6 de dezembro, em Madri na Espanha contra a conferência do clima.

Coletivos ecologistas, contra o extrativismo mineral, em defesa do Mar menor, contra a contaminação dos mares e o desaparecimento de especies e contra a mudança climática, grupos feministas, plataformas de imigrantes, junto a milhares e milhares de jovens, estudantes, sindicatos, partidos políticos e famílias com filhos pequenos, em um clima bastante festivo.

Centenas de milhares deram forma a uma verdadeira maré humana contra a mudança climática.

"Um grau, dois graus, adeus ao ser humano", cantou o grupo Extinction Rebellion, enquanto que a plataforma "Fridays for future" exigia a "justiça climática". "Não temos um planeta B", diziam milhares de jovens, e se trata "de nosso futuro".

Também esteve muito presente na marcha, a luta do povo chileno. A conferência do clima seria realizada nesse país, mas Piñera decidiu suspender sua realização devivo ao clima de grande protesto social e repressão, da qual é responsável.

O governo de PSOE se ofereceu então para receber a COP25 e numerosas empresas saíram a respalda-lo. Por isso, muitos manifestantes cantavam canções em solidariedade com o povo chileno e contra a repressão.

O ator Javier Bardem fechava o ato fazendo um chamado a mobilização contra a emergencia climática e fazendo referencia a que temos pouco tempo para atuar.

Mas o momento mais esperado chegou quando falou Greta Thunber. "A esperança não está entre os muros da COP25, senão aqui fora. Voces são a esperança" disse a ativista sueca ao fechar a manifestação multitudinária e chamou de "traidores" aos líderes presentes na conferência. "A mudança está chegando, gostem ou não" (os lideres mundiais).

A ativista chegou de manhã a Madrid vindo de Lisboa, depois de viajar 20 dias em um catamarã através do Oceano Atlântico.

Muitos coletivos e faixas também apontavam contra as empresas como Endesa, que patrocinaram oficialmente a conferência em uma operação de "greenwashing", enquanto se tratam das multinacionais mais contaminadoras do planeta.

Alguns setores conformaram um bloco anticapitalista no ato, para colocar que, se "o capitalismo destrói o planeta, temos que "destruir o capitalismo".




Tópicos relacionados

greve global pelo clima   /    aquecimento global   /    mudanças climáticas   /    Capitalismo   /    Internacional

Comentários

Comentar