Internacional

LUTA DE CLASSES

Madri: trabalhadoras em pé de guerra contra a terceirização da limpeza do hospital Gregorio Marañón

Os trabalhadores se opõem à decisão de Isabel Díaz Ayuso [presidente da Comunidade de Madrid, NdT] de abrir as portas para a privatização do serviço de limpeza do Gregorio Marañón, o último dos hospitais comunitários que mantém esse serviço exclusivamente público.

sábado 13 de junho| Edição do dia

Foi com surpresa que se viu a divulgação de licitação que concede a gestão da limpeza a empresas privadas. Foi assim que os 550 funcionários de limpeza do hospital Gregorio Marañón souberam da decisão do governo da Comunidade de Madri de privatizar o serviço de limpeza desse hospital, o último desses centros comunitários nos quais esse serviço permanece exclusivamente de propriedade pública.

A licitação envolve a privatização de serviços de limpeza, como consultas externas, emergências, radiologia etc. No total, 33.201 metros quadrados do Gregorio Marañón, aproximadamente 20% da superfície do hospital, por um período de dois anos - prorrogável até 2025 - e com um valor estimado de cerca de 8 milhões de euros.

Os trabalhadores temem que este seja apenas o primeiro passo em uma privatização progressiva da limpeza e outros serviços, como foi praticado em outros hospitais nos últimos anos.

Aproveitar a situação para aprofundar os saques da saúde pública. Esse é o “agradecimento” que Isabel Díaz Ayuso faz ao imenso trabalho dos trabalhadores da saúde e, especificamente, aos trabalhadores da limpeza que arriscaram sua saúde na luta contra a pandemia, mesmo com recursos limitados precisamente pelo cortes no orçamento e privatizações do serviço de saúde.

Tudo isso enquanto ainda estamos sofrendo os efeitos desse modelo de gestão privada que levou ao colapso da saúde em Madri devido à crise do coronavírus e ao crime social de residências particulares que levou à morte de mais de 5.000 idosos sob a responsabilidade direta de Ayuso, sem que o governo central tome medidas para intervir.

Por esse motivo, desde terça-feira passada, os trabalhadores de enfermagem, limpeza, auxiliares, médicos, etc concentram-se todos os dias às 9h e 18h em frente a Gregorio Marañón. Eles exigem a remoção do Lote 7 do documento de Limpeza Integral dos Centros de Assistência Especializada que abriria a porta para a privatização dos serviços hospitalares e o reforço da equipe de limpeza por meio de emprego público.

Uma luta que faz parte das mobilizações semanais nas cidades de todo o Estado Espanhol em defesa da saúde pública e por maiores meios e recursos para um serviço cuja importância social foi mais do que demonstrada nos últimos meses.




Tópicos relacionados

Estado Espanhol   /    Luta de Classes   /    Internacional

Comentários

Comentar