Política

PERDÃO COM MUITOS LUCROS PARA A JBS

MPF quer acordo para JBS pagar apenas 5,8% de seu faturamento em 2016 ao longo de 11 anos

A Força-Tarefa da Operação Greenfield divulgou um comunicado na tarde desta segunda-feira, 22, para informar que as negociações para um eventual acordo de leniência entre o Ministério Público Federal (MPF) e o Grupo J&F, controlador da JBS, foi retomado. A proposta é que eles paguem valor equivalente a 5,8% do faturamento do grupo em 2016 ao longo de 11 anos. O grupo acha muito e propôs valor de 0,51% do faturamento.

segunda-feira 22 de maio| Edição do dia

A corrupção da JBS e a exploração brutal de seus trabalhadores, com direito a bilhões de investimento de dinheiro público via BNDES, tem mostrado cada vez mais que é um ótimo negócio para os irmãos Batista, delatores corruptos e exploradores capitalistas.

Joesley ganhou o perdão total do judiciário e o direito de viver em seu apartamento de R$ 30 milhões nos EUA. Sua esposa mostra em reportagens como vive esbanjando o dinheiro do povo. E a política nacional, muito além de seus esquemas com Temer que foram delatados, está nas mãos do empresário, que comprou um terço dos parlamentares do Congresso Nacional.

Mas, afinal, qual a punição que o Ministério Público Federal (MPF) quer aplicar para esse empresário parasita, que se tornou um dos mais ricos do mundo às custas de exploração e negociatas? Uma multa. Sim, uma multa será toda a punição aos empresários. E o valor dessa multa está em negociação.

De acordo com o MPF, as conversas iniciadas no mês de fevereiro foram interrompidas na noite da última sexta-feira, 19, em decorrência de um impasse em relação ao valor da multa a ser paga. A leniência é o acordo de delação da pessoa jurídica. Na pessoa física, sete executivos da J&F já assinaram acordo de colaboração premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

O MPF propôs o pagamento de R$ 11,169 bilhões, em dez anos. O valor é equivalente a 5,8% do faturamento obtido pelo grupo econômico em 2016. Já os representantes da J&F fizeram duas contrapropostas: a primeira de R$ 1 bilhão, o que equivale a 0,51% do faturamento registrado no período, e a segunda, de R$ 1,4 bilhão. Veja a nota do MPF sobre a negociação:

"A Força Tarefa da Operação Greenfield informa que as negociações para um eventual acordo de leniência entre o MPF e o Grupo Econômico J&F foi retomado nesta segunda-feira (22). As conversas iniciadas no mês de fevereiro foram interrompidas na noite da última sexta-feira (19), em decorrência de um impasse em relação ao valor da multa a ser paga.

O MPF propôs o pagamento de R$ 11,169 bilhões, em dez anos. O valor é equivalente a 5,8% do faturamento obtido pelo grupo econômico em 2016. Já os representantes da J&F fizeram duas contrapropostas: a primeira de R$ 1 bilhão, o que equivale a 0,51% do faturamento registrado no período, e a segunda, de R$ 1,4 bilhão. Ambas foram rejeitadas pela Força Tarefa da Greenfield. A Lei anticorrupção (12.846/13) estabelece que a multa em acordos de leniência deve ter como parâmetro percentual que varia entre 0,1% e 20% do faturamento.

O MPF esclarece ainda que a multa imposta no acordo de leniência não inclui o ressarcimento de eventuais prejuízos causados aos cofres públicos."

Ou seja, a "dureza" do MPF está em deixar essa empresa parasita, seus executivos e proprietários saírem desse mar de lama pagando uma ínfima parte do lucro que obtém em apenas um ano. E seguirem tranquilamente com seus negócios e a exploração selvagem de trabalhadores, que leva a mortes e milhares de acidentes de trabalho todos os anos.

Está claro que o Estado, os políticos e judiciário, são totalmente coniventes com a JBS. É necessário que os trabalhadores se organizem para expropriar a JBS, estatizando ela sob controle dos trabalhadores, trazendo de volta cada centavo que nos foi roubado, seja pela exploração nas linhas de produção, seja pelo roubo através das negociatas com políticos e doações do BNDES, seja pelos esquemas de corrupção. Basta de impunidade para os capitalistas por seus crimes!




Tópicos relacionados

JBS   /    Política

Comentários

Comentar