Educação

TRIBUNA ABERTA

MP da Reforma do Ensino Médio

Izaias Baldo

Estudante secudarista da E.E. Prof. Augusto da Silva Cesar/Araraquara.

sexta-feira 14 de outubro| Edição do dia

A medida provisoria encaminhada para análise a ser implantada em âmbito federal prevê que as matérias de sociologia, filosofia, educação física e artes, além de outras passam a ser opcionais. A Medica Provisoria 746 transforma o Ensino Médio em Ensino Técnico, tornar escolas de duplo período em período integral. Uma reforma que povo não foi consultado e, nem os principais afetados, os alunos e professores pelo governo, contudo isso era previsto no governo passado. A proposta pode ser melhor.

Adoraria poder escolher a minha formação intelectual a partir dos 16 anos pensando o que seria útil para meu futuro, sendo que aos 16 anos temos mente para escolher o politico responsável pelo país, economia, educação, saúde, segurança e que tem planos podres para declarar uma guerra. O governo atual está comprando briga com o país inteiro, a quantidade de professores das matérias afetadas vão lutar contra a reforma, será esmagadora.

Discordo dos pontos da MP é o ensino técnico e do período integral. O ensino técnico é impossível ser oferecida com qualidade, pois pediriam por laboratórios de qualidade com numero reduzido de alunos, professores entendedores do assunto e com a devida a especificação recebendo bons salários para maximizar o aprendizado e garantir a qualidade. Um laboratório de química, por exemplo: deveria ter como capacidade máxima de 20 alunos, mais que isso haveria queda de qualidade, sem falar em acidentes, também no maior desgaste no professor.

Já o ensino em período integral traria mais problemas, pois juntaria os dois períodos, o que significa mais alunos para poucos professores aumentando ainda mais o desgaste do professor e super lotando salas de aula, faltando escolas para atender a nova demanda, obrigando alguns alunos a mudarem para escola particular. Com a falta das condições de infra-estrutura o período integral destruirá a educação publica.

A MP concede aos estados a responsabilidade de escolher da aplicação da medida, impossível nas condições atuais das finanças dos estados da união. O Rio de Janeiro, por exemplo, está prestes a falir.

A crise econômica e politica que afeta o pais começa a pesar muito contra a MP. A educação precisa passar por uma reforma profunda, mas não agora sem discussão. A educação brasileira está debilitada, a taxa de alunos com analfabetismo funcional dentro das escolas publicas, cresce mais e mais a cada ano que passa, no dia a dia, gerando desmotivação entre alunos e professores. Os alunos, em sua maioria, afirmam que vão a escola por obrigação, portanto não dão a minima para a aula. Os professores cansados de tanto trabalhar e com baixos salários cansados e desmotivados.

Ano apos ano, ambos os lados tem assistido a lenta morte do ensino publico. Casos em que estudantes tem que limpar a escola e fazer reparos de portas, computadores, fechaduras são comuns.

A questão que fica é o que acontecerá com os professores dessas matérias? Qual seria a saída mais pratica, para ser aplicada agora, que acabe com os problemas da educação publica?

Me manifestei em 2015 pela educação, estou pronto para repetir em 2016 e se necessário for 2017 lutarei por educação de qualidade. Propor a conscientização da população, mesmo fora da escola pudesse lutar por uma educação melhor, justa e de qualidade. Podemos lutar pela nossa educação, dos nossos filhos, netos, bisnetos e gerações que ainda estão por vir, o futuro será diferente se alteramos o passado.

Peço desculpas se ofendi algum ponto de vista contrario, tentei tratar a questão com o máximo de respeito possível as opiniões alheias e expor meu ponto de vista sobre o assunto. Sou novo no mundo da politica, mas discordo do aparelhamento que os movimentos estudantis pode ficar fazendo politica de partido x ou y.




Tópicos relacionados

Educação

Comentários

Comentar