Cultura

CENSURA À ARTE

MBL e Alexandre Frota são processados por Cateano Veloso por acusação de pedofilia

domingo 22 de outubro| Edição do dia

Caetano Veloso, cantor e compositor muito reconhecido na música brasileira, e sua esposa, a empresária Paula Lavigne, entraram com um processo contra o MBL (Movimento Brasil Livre), seus coordenadores nacionais Kim Kataguiri e Renan Santos e Alexandre Frota. O processo é movido por danos morais, depois do MBL ter realizado e compartilhado via facebook uma série de postagens que acusam Caetano de pedofilia.

O casal moveu o processo contra o MBL depois de 24 postagens que foram realizadas no página de facebook do grupo, todas elas com conteúdo completamente violento, como montagens e notícias, insinuando que Caetano seria pedófilo por ter se relacionado sexualmente com sua esposa quando ela ainda era menor de idade.

Para Caetano, é uma ação de praxe do grupo de perseguir, humilhar e caluniar pessoas que tenham divergência política do que o grupo defende. Depois do caso do encerramento da exposição Queermuseu, que reunia diversas obras sobre a comunidade LGBT, Caetano, Paulo e muitos outros artistas fizeram um intenso movimento nas redes sociais repudiando a censura à arte.

O processo encaminhado tem um pedido de indenização de R$ 100 mil de cada um dos réus e pede a imediata retirada das postagens realizadas pelo MBL das redes sociais. No Twitter, a hashtag Caetano pedófilo foi divulgada massivamente por seguidores do MBL com extensas mensagens de ódio ao cantor. Mesmo após o anúncio do processo que Caetano e Paulo estão movendo, o MBL continua fazendo e compartilhando postagens que atacam o casal.


Reprodução do Facebook: montagem feita pelo grupo MBL


Reprodução do Facebook: notícia compartilhada pelo MBL debochando do processo judicial

Alexandre Frota e MBL

Desde agosto deste ano, Alexandre Frota e o analista político Vinicius Carvalho de Aquino, sao detentores da logomarca MBL, sendo assim recebem também o processo de Caetano e Paula. Frota diz que apesar de fazer uso da logomarca MBL, as postagens da página do facebook do grupo de direita, que utiliza da logomarca de maneira indevida, mas não se posicionou em defesa do casal contra os ataques, e declarou: "não tenho relação com os fatos, mas sou uma voz no meio de milhões de brasileiros que se indignaram com aquela exposiçao, que Caetano e Paula chamam de arte", deixando bem clara sua postura em relação à censura.




Tópicos relacionados

Censura   /    MBL   /    Arte   /    Cultura

Comentários

Comentar