Política

MBL E DORIA

MBL diz que "rompe" com Doria, mas continua apoiando política privatista do prefeito

MBL afirma "rompimento" com Doria devido a desacordos sobre regulamentação do Uber e Escola Sem Partido, porém continuam a todo vapor apoiando privatizações de Doria e diversos ataques contra os direitos dos trabalhadores.

terça-feira 23 de janeiro| Edição do dia

O Movimento Brasil Livre (MBL) declarou rompimento com João Doria (PSDB), menos de um ano após terem saído em apoio à possível candidatura de Doria à presidência. O motivo do rompimento teria sido a regulamentação do Uber, aplicativo de transporte, encabeçada por Doria.

A declaração partiu do vereador Fernando Holiday (MBL) e depois, quando questionado, Kim Kataguiri, coordenador do grupo, afirmou refletir uma insatisfação do movimento como um todo.

Holiday declarou que a partir de agora irá "infernizar" e "obstruir" a vida de Doria e de sua gestão, por não terem seguido o projetos do MBL.

Entretanto, esse "rompimento" parcial e completamente formal do MBL se evidência quando o grupo continua apoiando outras medidas tanto da própria gestão Doria, quanto a nível nacional, no governo Temer, que atacam os direitos dos trabalhadores.

O grupo, conhecido por promover uma série de ataques reacionários às artes, como o caso da exposição Queermuseu e o ato contra a filósofa Judith Butler que veio ao Brasil, mantém sua clara posição contrária aos setores oprimidos e aos trabalhadores, apoiando a reforma da previdência, a reforma trabalhistas e as dezenas de projetos privatistas de João Doria para a cidade de São Paulo.




Tópicos relacionados

MBL   /    João Doria   /    Política

Comentários

Comentar