CONCILIAÇÃO DE CLASSES

Lula afirma que não anulará reformas de Temer se for eleito em 2018

Ao longo de 2017, em meio ao avanço dos ataques do governo Temer, o petismo, seja por meio das centrais sindicais e demais movimentos sociais que dirige, seja através do próprio PT, vem dando tréguas ao presidente golpista. No momento em que, mais uma vez, Lula não combate as reformas de Temer, fica cada vez mais evidente que o real interesse do PT é muito mais preparar um terreno favorável para sua volta à presidência em 2018 do que derrotar as reformas.

sexta-feira 7 de julho| Edição do dia

Logo após o golpe institucional que destituiu Dilma Rousseff do cargo mais alto do executivo nacional, substituindo-a por Temer e sua quadrilha de fichas-suja, Lula, principal figura do Partido dos Trabalhadores, veio a público orientar todos os setores do petismo. De sua orientação ficou a parte mais famosa e que também melhor traduz o que foi a atuação do PT nos últimos meses: a ideia de fazer a luta contra Temer, mas sem incendiar o país.

A maior preocupação do PT não gira em torno de barrar as reformas. Vale relembrar que, logo no início do segundo governo Dilma, o ano de 2015 iniciou com uma ofensiva contra os trabalhadores, aprovando ataques contra o seguro-desemprego, o auxílio doença e a pensão por morte. Não era problema para o PT, portanto, ataques à população e aos trabalhadores.

Veja também:
- Diana Assunção se pronuncia nas redes sobre condenação de Lula por Moro
- Quais são os desafios na conjuntura que se abre após o 30 de junho?

Durante o ano de 2017, em meio à ofensiva do governo Temer com seu pacotaço de ataques (reforma trabalhista, reforma da previdência, terceirização irrestrita, limitação do direito de greve, etc) as centrais sindicais dirigidas pelo petismo, CUT e CTB, recusaram-se a travar uma batalha séria e à altura dos ataques colocados. Em nenhum momento tais centrais, as duas maiores do país aliás, colocaram todo o peso para construir com os trabalhadores uma resistência de fato.

Após a primeira greve geral, a do 15M, as centrais petistas deram trégua de mais de um mês até a greve seguinte. Após muita pressão das bases, o 28A foi muito maior. Com medo de perder o controle, as centrais convocaram nova greve geral somente para o último dia 30, e boicotaram escancaradamente a construção, motivo que explica o porquê de ter sido o 30J inferior, em termos de intensidade, principalmente ao 28A. Entre o 28A e o 30J ainda ocorreu a marcha em Brasília no dia 24 de maio, demonstrando mais uma vez enorme disposição e combatividade da classe trabalhadora para derrotar as reformas e o governo.

As centrais seguiram à risca o conselho de Lula de não incendiar o país. O interesse do PT era muito mais o de desgastar o governo Temer, visando o fortalecimento de Lula para as eleições de 2018, do que a real derrubada do presidente peemedebista. Essa atitude meramente eleitoreira, que põe em relevo o compromisso histórico que o PT sempre manteve com a burguesia e a conciliação, ganhou contornos ainda mais nítidos em Fevereiro deste ano, quando Lula, em mais uma “brilhante” declaração, afirmou que apenas um governo eleito poderia implementar a reforma da previdência.

Veja mais: Debates de estratégia: Constituinte Já ou Diretas Já?

Além de fazer clara referência à reforma previdenciária petista de seu primeiro governo, que privatizou os fundos de pensão da previdência e, ainda assim, manteve-se distante de uma crise de governabilidade das proporções da do governo Temer, mesmo em meio ao estouro do escândalo do mensalão, a declaração de Lula tornou mais transparente as intenções do PT no contexto da crise brasileira. Ao afirmar que, somente um presidente eleito (como as pesquisas indicam que ele seria) teria legitimidade para aplicar as reformas, parecia firmar mais um compromisso com a burguesia. Como em 2002, às vésperas de sua primeira vitória eleitoral, quando se comprometeu a dar dinheiro aos banqueiros, em 2017, às vésperas de uma possível retomada da presidência, o PT reafirma seu compromisso com a conciliação ao mencionar a “mãe de todas as reformas”, a reforma da previdência, que vai nos obrigar a trabalhar até a morte, se aprovada.

Veja também:As reformas de Temer são para manter trilhões de reais para pagar a dívida pública

Nessa quarta-feira, em mais uma declaração em que tal compromisso foi reafirmado, Lula foi enfático ao afirmar que, se eleito em 2018, não fará retroceder as reformas que o governo Temer está tentando aprovar. O ex-presidente disse que “seria falso dizer que vou anular tudo [os ataques brutais do governo Temer]”, dando um recado claro à burguesia de que permanece comprometido com as reformas. E, como se isso não bastasse para que os grandes empresários e o imperialismo vissem em Lula seu nome de confiança para 2018, o petista ainda afirmou que o candidato (no caso, ele mesmo) de 2018 “não vai ser eleito para ficar brigando com o ex-governo”. Em outras palavras, o que Lula quis dizer (e, aliás, disse de modo bastante claro) foi que não terá interesse em mexer em nenhuma medida do “ex-governo”, que isso não será obrigação do candidato eleito.

Não à toa a campanha por eleições diretas, puxada por setores petistas (e comprada por boa parte da esquerda brasileira, do MAIS ao PSOL) deixou de lado qualquer menção às reformas de Temer. O “abaixo às reformas” ou “contra os ataques” perdeu espaço para o mote das eleições diretas, que em nada mudaria a brutalidade das medidas impostas pelo atual governo, apenas servindo para relegitimar o sistema político brasileiro, dando à burguesia plenas condições de continuar com sua bateria de ataques. E mais: mesmo a campanha por eleições diretas não passa de fraseologia na boca do petismo. Ao mesmo tempo em que tal palavra de ordem é usada para enfraquecer o governo Temer, as centrais sindicais petistas, como dissemos acima, boicotam a luta pela implementação da palavra de ordem que elas mesmas defendem.

O que poderia parecer paradoxal na verdade não é tão confuso, desde que tenhamos em mente que a existência do PT sempre foi atravessada por seu compromisso histórico de conciliação. O mote de eleições diretas apenas serve para fortalecer a candidatura de Lula, que despontará em 2018 como a figura que defendeu eleições gerais (ao lado do tucano FHC e da juventude do PSDB) diante de um governo corrupto e ilegítimo. Tendo já, e mais uma vez, se comprometido em manter as reformas efetuadas pelo governo Temer, Lula busca mostrar, também, que a burguesia pode depositar, como fez em 2002, sua confiança nele.

Ideias de Esquerda: A campanha das “Diretas Já” como mecanismo da transição conservadora




Tópicos relacionados

#30J   /    Eleições 2018   /    Reforma da Previdência   /    Reforma Trabalhista   /    CUT   /    PT   /    Lula

Comentários

Comentar