Lucrando com a pandemia: empresário é flagrado produzindo álcool em gel fajuto

Na cidade de Osasco, vimos mais um caso de empresários tentando salvar os seus lucros a qualquer custo, inclusive, pondo em risco a vida das pessoas. Um empresário de 35 anos estava produzindo álcool num estabelecimento sem nenhuma licença sanitária ou de qualquer tipo, sem ao menos algum químico responsável para a manufatura desse produto. Tendo comercializado esse mesmo produto em suas duas lojas na cidade.

segunda-feira 6 de abril| Edição do dia

Na cidade de Osasco, vimos mais um caso da burguesia tentando salvar os seus lucros a qualquer custo, inclusive, pondo em risco a vida das pessoas. Um empresário de 35 anos estava produzindo álcool num estabelecimento sem nenhuma licença sanitária ou de qualquer tipo, sem ao menos algum químico responsável para a manufatura desse produto. Tendo comercializado esse mesmo produto em suas duas lojas na cidade.

O empresário acabou sendo preso e processado por inúmeros crimes, e tanto o imóvel, como os estabelecimentos comerciais que vendiam esse produto foram interditados, assim como vários insumos tenham sido apreendidos.

Ainda não se sabe ainda o efeito que esse produto, fruto da lógica de produção irracional do capitalismo, tenha provocado nos consumidores nesse meio tempo, mas o fato é que novamente essa crise escancara as contradições do capitalismo e até onde vai a sede de lucro dos capitalistas mesmo num momento onde há uma grande necessidade de salvar vidas e cuidar das pessoas.

É por isso que não podemos confiar nos capitalistas para solucionarem essa crise, independentemente das disputas internas que ocorrem no interior do regime e das demagogias colocadas diariamente. Seus representantes políticos sequer conseguem garantir a aplicação massiva de testes para organizar de uma maneira mais eficiente a prevenção desse vírus, algo elementar que vem sendo secundarizado. Todos impõe um limite muito claro para salvar a vida das pessoas, ou seja, algo que possa até acontecer, mas na medida que isso não prejudique os seus lucros, pois estes controlam a produção e chegam ao ponto de vender um produto que além de não proteger as pessoas, como também pode condicionar diversas enfermidades, como é o caso desse empresário de Osasco.

Frente a isso e inúmeros exemplos de como a vida não vale mais que o lucro deles, nós do Esquerda Diário, desde sua redação levantamos a plenos pulmões a necessidade dos trabalhadores tomarem em suas mãos, a tarefa de garantir até o final a salvação da vida das pessoas em meio a essa crise, a partir do controle da produção, de todos os estabelecimentos, onde poderiam justamente planificar e girar a produção de um país, desde os diferentes setores de indústria, para produzir na maior escala possível os insumos e qualquer tipo de material necessário para conter e prevenir e tratar o coronavírus e suas doenças advindas disso, não permitindo de nenhuma maneira que tal atrocidade se repita novamente e que essa própria produção não seja submetida a sede de lucro de um burguês, mas sim aos interesses da classe trabalhadora que vem a ser quem mais está pagando, com as próprias vidas, com essa crise cujas condições sanitárias, o próprio capitalismo construiu.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Nossas vidas valem mais que o lucro deles   /    Osasco

Comentários

Comentar