Política

DÓRIA E LOURES

Loures, homem da propina de Temer, foi financiado por Doria nas eleições de 2014

Rodrigo Loures (PMDB-PR), pivô de delação de Joesley e homem da propina de Temer, recebeu R$50 mil de Dória (PMDB), prefeito de SP, para se candidatar Deputado Federal em 2014. Depois da nomeação por Temer de Osmar Serraglio (PMDB-PR) para ministro da justiça, Loures se tornou o deputado de maior confiança do golpista, seu canal de propina e de negociações fraudulentas com a J&F.

Leticia Parks

São Paulo

terça-feira 23 de maio| Edição do dia

Dória é o prefeito de São Paulo que gosta de atacar artistas de rua e que no domingo dirigiu junto a Alckmin a maior repressão já documentada contra moradores de rua e usuários de drogas na chamada “Cracolândia”, no centro da cidade. Agora veio a público a “amizade” de Dória com ninguém menos que Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), que concorreu a Câmara dos Deputados em 2014 e acabou sendo eleito com uma campanha que coletou, ao todo, cerca de R$3 milhões, destes, R$50 mil de Dória, que doou o dinheiro no dia 29 de agosto de 2014.

Na prestação de contas de campanha do deputado estão outros nomes importantes da política nacional, como João Elísio Ferraz de Campos, defensor da ditadura militar, ex governador da pelo PMDB no Paraná e ex membro do ARENA, partido que dirigiu o estado militar durante a ditadura, de 1965 até o começo da abertura democrática em 1979, quando se dissolve e seus membros se dirigem a um punhado de outros partidos da direita, entre eles o PMDB de Dória.

Rodrigo Loures se tornou um pivô da delação da JBS, que afirmava que Joesley havia prometido R$500 mil por semana durante 20 anos para facilitar questões relativas ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica, onde Loures se comprometeria a garantir uma decisão provisória para retirar o monopólio da Petrobras no fornecimento de gás para a termoelétrica do Grupo J&F, mesmo da JBS. Com essa intervenção, os contratos do Estado poderiam ser feitos diretamente com a J&F, aumentando exponencialmente seus lucros, dos quais 5% iriam diretamente às mãos de Temer.

Em declaração ao jornal Poder 360, a assessoria de Dória alega que “O prefeito fez uma doação pessoal, com recursos próprios, nas eleições de 2014, quando o então candidato a deputado federal ainda não era alvo das suspeitas que hoje recaem sobre ele. A doação foi feita de acordo com a legislação e registrada à Justiça Eleitoral, como a reportagem pode constatar em consulta ao site do TSE. Não é possível fazer ilações sobre fatos relatados três anos depois da referida doação eleitoral”. Ainda assim, no dia 16 de maio, Loures esteve em jantar de gala em que Dória recebia o prêmio Personalidade do Ano e em abril do ano passado estiveram juntos no 15º Fórum Empresarial do Lide, grupo de João Dória.




Tópicos relacionados

João Doria   /    Política

Comentários

Comentar