Política

LAVA JATO

Lista de Fachin abre inquérito do alto escalão do governo e presidentes do Senado e Câmara

O Ministro do STF e relator da Lava Jato Edison Fachin divulgou nessa terça, 11, lista com novos inquéritos a políticos na Lava Jato. Toda a linha de sucessão presidencial está comprometida, além de nove ministros do governo Temer, 29 senadores e 42 deputados federais. Os inquéritos atingem todos os principais partidos: PT, PSDB e PMDB apresentam vários deputados e senadores entre eles.

terça-feira 11 de abril| Edição do dia

Em 83 decisões tomadas por Fachin e divulgadas pelo jornal Estado de S. Paulo, ele determinou a abertura de inquérito em relação a um total de 108 pessoas. A decisão foi tomada com base nas delações feitas pelos 78 executivos da Odebrecht que prestaram depoimento. Além dos parlamentares do Senado e Câmara, a lista contém um ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), três governadores e 24 outros políticos e autoridades.

Entre os políticos indiciados, se destacam com maior número de inquéritos o Senador e presidente do PSDB Aécio Neves e Romero Jucá, presidente do PMDB, com 5 inquéritos, seguidos por Renan Calheiros, senador do PMDB e ex-presidente da casa, com 4 inquéritos.

O governo Temer foi duramente atingido pela lista, que inclui os seguintes ministros: Eliseu Padilha (PMDB), da Casa Civil, , Moreira Franco (PMDB), da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Kassab (PSD), da Ciência e Tecnologia, Helder Barbalho (PMDB), da Integração Nacional, Aloysio Nunes (PSDB), das Relações Exteriores, Blairo Maggi (PP), da Agricultura, Bruno Araújo (PSDB), das Cidades, Roberto Freire (PPS), da Cultura, e Marcos Pereira (PRB), da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Entre esses, Kassab e Padilha aparecem em dois inquéritos.

Além dos membros e aliados do governo, o PT também está presente na lista de inquéritos com nomes de peso, como o de Lindbergh Farias, senador pelo Rio, Carlos Zarattini, deputado federal por São Paulo e Humberto Costa, senador por Pernambuco, entre muitos outros.

Entre os crimes mais presentes nas delações dos executivos da Odebrecht estão os de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, formação de cartel e fraude de licitações.

Além do vazamento seletivo, dos mandos e desmandos dos juízes privilegiados do STF como Fachin, que decide de acordo com seus interesses privados quais delações são ou não homologadas, quais inquéritos são abertos e o que é "vazado" das delações para a imprensa ou não, ainda há a imunidade de Temer.

O presidente, citado nos pedidos de abertura de dois inquéritos, não será alvo das investigações da Procuradoria Geral da República por conta da imunidade de seu mandato, que inviabiliza a investigação de crimes que não sejam decorrentes do exercício de seu mandato presidencial.

Enquanto isso, os delatores da Odebrecht, executivos e capitalistas que lucraram bilhões com os esquemas de propina e corrupção, tem seus crimes relevados, no máximo ficando confinado em imensas mansões com tornozeleiras eletrônicas. A bilionária empreiteira continua com seus lucrativos negócios no Brasil e no exterior, enriquecendo às custas da exploração dos trabalhadores e dos seus esquemas corruptos.

Nenhuma investigação levada adiante pelo judiciário, em particular os incrivelmente privilegiados juízes do STF, com salários de dezenas de milhares de reais e privilégios vitalícios, poderão combater efetivamente os desmandos dos capitalistas. Eles não respondem aos interesses dos trabalhadores, mas apenas a seus interesses privados. É necessário lutar por uma assembleia constituinte que seja colocada de pé pela luta dos trabalhadores, que possa dissolver esses poderes desse regime político apodrecido, e debater efetivamente os problemas do país. Pra impor que todo político tenha o salário de uma professora, o cargo revogável, e que todos os juízes sejam eleitos. Precisamos lutar por um governo dos trabalhadores, só assim atenderemos os interesses do povo pobre e de nossa classe.

Confira a lista completa de Fachin e acompanhe a análise no Esquerda Diário:

Senador da República Romero Jucá Filho (PMDB-RR)
Senador Aécio Neves da Cunha (PSDB-MG)
Senador da República Renan Calheiros (PMDB-AL)
Ministro da Casa Civil Eliseu Lemos Padilha (PMDB-RS)
Ministro da Ciência e Tecnologia Gilberto Kassab (PSD)
Senador da República Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)
Deputado Federal Paulinho da Força (SD-SP)
Deputado Federal Marco Maia (PT-RS)
Deputado Federal Carlos Zarattini (PT-SP)
Deputado Federal Rodrigo Maia (DEM-RM), presidente da Câmara
Deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA)
Deputado federal Milton Monti (PR-SP)
Governador do Estado de Alagoas Renan Filho (PMDB)
Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República Wellington Moreira Franco (PMDB)
Ministro da Cultura Roberto Freire (PPS)
Ministro das Cidades Bruno Cavalcanti de Araújo (PSDB-PE)
Ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB)
Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Marcos Antônio Pereira (PRB)
Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Blairo Borges Maggi (PP)
Ministro de Estado da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB)
Senador da República Paulo Rocha (PT-PA)
Senador Humberto Sérgio Costa Lima (PT-PE)
Senador da República Edison Lobão (PMDB-PA)
Senador da República Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Senador da República Jorge Viana (PT-AC)
Senadora da República Lidice da Mata (PSB-BA)
Senador da República José Agripino Maia (DEM-RN)
Senadora da República Marta Suplicy (PMDB-SP)
Senador da República Ciro Nogueira (PP-PI)
Senador da República Dalírio José Beber (PSDB-SC)
Senador da República Ivo Cassol
Senador Lindbergh Farias (PT-RJ)
Senadora da República Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)
Senadora da República Kátia Regina de Abreu (PMDB-TO)
Senador da República Fernando Afonso Collor de Mello (PTC-AL)
Senador da República José Serra (PSDB-SP)
Senador da República Eduardo Braga (PMDB-AM)
Senador Omar Aziz (PSD-AM)
Senador da República Valdir Raupp
Senador Eunício Oliveira (PMDB-CE)
Senador da República Eduardo Amorim (PSDB-SE)
Senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
Senador da República Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)
Senador da República Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
Deputado Federal José Carlos Aleluia (DEM-BA)
Deputado Federal Daniel Almeida (PCdoB-BA)
Deputado Federal Mário Negromonte Jr. (PP-BA)
Deputado Federal Nelson Pellegrino (PT-BA)
Deputado Federal Jutahy Júnior (PSDB-BA)
Deputada Federal Maria do Rosário (PT-RS)
Deputado Federal Felipe Maia (DEM-RN)
Deputado Federal Ônix Lorenzoni (DEM-RS)
Deputado Federal Jarbas de Andrade Vasconcelos (PMDB-PE)
Deputado Federal Vicente “Vicentinho” Paulo da Silva (PT-SP)
Deputado Federal Arthur Oliveira Maia (PPS-BA)
Deputada Federal Yeda Crusius (PSDB-RS)
Deputado Federal Paulo Henrique Lustosa (PP-CE)
Deputado Federal José Reinaldo (PSB-MA), por fatos de quando era governador do Maranhão
Deputado Federal João Paulo Papa (PSDB-SP)
Deputado Federal Vander Loubet (PT-MS)
Deputado Federal Rodrigo Garcia (DEM-SP)
Deputado Federal Cacá Leão (PP-BA)
Deputado Federal Celso Russomano (PRB-SP)
Deputado Federal Dimas Fabiano Toledo (PP-MG)
Deputado Federal Pedro Paulo (PMDB-RJ)
Deputado federal Lúcio Vieira Lima (PDMB-BA)
Deputado Federal Paes Landim (PTB-PI)
Deputado Federal Daniel Vilela (PMDB-GO)
Deputado Federal Alfredo Nascimento (PR-AM)
Deputado Federal Zeca Dirceu (PT-SP)
Deputado Federal Betinho Gomes (PSDB-PE)
Deputado Federal Zeca do PT (PT-MS)
Deputado Federal Vicente Cândido (PT-SP)
Deputado Federal Júlio Lopes (PP-RJ)
Deputado Federal Fábio Faria (PSD-RN)
Deputado Federal Heráclito Fortes (PSB-PI)
Deputado Federal Beto Mansur (PRB-SP)
Deputado Federal Antônio Brito (PSD-BA)
Deputado Federal Décio Lima (PT-SC)
Deputado Federal Arlindo Chinaglia (PT-SP)
Ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo Filho
Governador do Estado do Rio Grande do Norte Robinson Faria (PSD)
Governador do Estado do Acre Tião Viana (PT)
Prefeita Municipal de Mossoró/RN Rosalba Ciarlini (PP), ex-governadora do Estado
Valdemar da Costa Neto (PR)
Luís Alberto Maguito Vilela, ex-Senador da República e Prefeito Municipal de Aparecida de Goiânia entre os anos de 2012 e 2014
Edvaldo Pereira de Brito, então candidato ao cargo de senador pela Bahia nas eleições 2010
Oswaldo Borges da Costa, ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais/Codemig
Senador Antônio Anastasia (PSDB-MG)
Cândido Vaccarezza (ex-deputado federal PT)
Guido Mantega (ex-ministro)
César Maia (DEM), vereador e ex-prefeito do Rio de Janeiro e ex-deputado federal
Paulo Bernardo da Silva, então ministro de Estado
Eduardo Paes (PMDB), ex-prefeito do Rio de Janeiro
José Dirceu
Deputada Estadual em Santa Catarina Ana Paula Lima (PT-SC)
Márcio Toledo, arrecadador das campanhas da senadora Suplicy
Napoleão Bernardes, Prefeito Municipal de Blumenau/SC
João Carlos Gonçalves Ribeiro, que então era secretário de Planejamento do Estado de Rondônia
advogado Ulisses César Martins de Sousa, à época Procurador-Geral do Estado do Maranhão
Rodrigo de Holanda Menezes Jucá, então candidato a vice-governador de Roraima, filho de Romer Jucá
Paulo Vasconcelos, marqueteiro de Aécio
Eron Bezerra, marido da senadra Grazziotin
Moisés Pinto Gomes, marido da senadora Kátia Abreu, em nome de quem teria recebido os recursos – a38
Humberto Kasper
Marco Arildo Prates da Cunha
Vado da Famárcia, ex-prefeito do Cabo de Santo Agostinho
José Feliciano




Tópicos relacionados

Operação Lava-Jato   /    Governo Temer   /    Operação Lava Jato   /    Corrupção   /    Política

Comentários

Comentar