JUDICIÁRIO

Liminar favorável a Cunha escancara arbitrariedade do STF

sexta-feira 29 de junho| Edição do dia

Foto: Fernando Bizerra Jr

Esta semana foi marcada por arbitrariedades do judiciário. No começo da semana, um pedido de liberdade a Lula foi enviado a segunda turma do STF, enviado por Fachin para ser votado no plenário,ficando nas mãos de Carmem Lucia colocar essa medida para votação. Tal medida teve como objetivo impedir que o recurso fosse votado pela segunda turma do STF, que poderia ter uma posição mais favorável ao habeas corpus. Além disso também houve a liberação de José Dirceu, com um caso muito parecido com o de Lula, e o perdão da dívida da Samarco, Vale e BHP Billinton, responsáveis pelo desastre de Mariana. Além disso, também fizeram chantagens contra as eleições.

Ontem (28), porém, veio uma nova notícia: o ministro Marco Aurélio de Mello concede Habeas Corpus para o ex deputado Eduardo Cunha, em uma de suas prisões preventivas. Apesar dessa liminar não garantir a liberdade a Cunha, devido a outros pedidos de prisão preventiva, escancara toda a arbitrariedade do judiciário, com ações que não precisam seguir nenhum tipo de critério legal e que não passam por nenhum tipo de aprovação popular.

Outro fator que também se evidencia é uma divisão no STF, com uma ala claramente mais pró lava jato. Apesar dessa divisão aparente quanto aos rumos mais imediatos da política nacional, as duas estão unidas na defesa do grande capital e do imperialismo, tendo sido participantes ativos no golpe de 2016. Apesar disso o PT, que dirige a CUT, maior central sindical do país, não se move pela garantia dessa conquista mínima dentro da democracia que é o direito ao povo votar em quem quiser

Por isso, nós do MRT e Esquerda Diário nos colocamos veemente contra todo o autoritarismo do judiciário ao mesmo tempo que nos colocamos contra a lógica petista da conciliação de classes, que abriu espaço para um golpe da direita e mantém o imobilismo frente a todos os ataques que vem passando.




Tópicos relacionados

"Partido Judiciário"   /    Eduardo Cunha   /    Poder Judiciário

Comentários

Comentar