Educação

CRISE DA UFRJ

Light corta a luz da Reitoria e ameaça desligar outras unidades da UFRJ

terça-feira 29 de novembro| Edição do dia

Nesta terça (29), às 10h da manhã, a Light desligou as luzes do prédio da Reitoria. A ação ocorreu durante sessão extraordinária do Conselho Superior de Coordenação Executiva que ocorria no prédio e que imediatamente emitiu uma nota de repúdio à ação. A universidade havia quitado, desde a posse do Reitor Roberto Leher, todas as faturas de 2015 além das faturas de fevereiro a maio, duas faturas de junho haviam acabado de ser pagas nesta quinta (24) e segunda 28, e a universidade estava em processo de negociação da dívida junto à empresa. Ou seja, o corte de luz foi uma ação totalmente unilateral por parte da empresa.

O corte, que agrava ainda mais a situação crítica em que se encontra o prédio da Reitoria, que pegou fogo deixando estudantes da EBA e FAU desalojados de seu local de estudo, é só o primeiro. A empresa Light ameaça cortar as luzes da Escola de Educação Física e Desportos e da Prefeitura Universitária à qualquer momento. O corte afetará laboratórios, com a perda de biotérios, e o corte na Prefeitura significa que o CT 2 ficará também sem luz.

A dívida da universidade com a Light é de 15 milhões. Porém, só desde a posse do Reitor Roberto Leher, a universidade desembolsou 64,6 milhões para pagar a sua luz, sendo 49 milhões advindos do orçamento de 2016. 2,9 milhões haviam sido pagos nesta quinta e mais 719 mil na segunda, ou seja, não é que a universidade estivesse dando um compreensível calote nas contas de luz, já que passa por uma de suas maiores crises financeira com a retenção dos repasses federais, cortes na educação que começaram a ser efetuados durante o governo Dilma e que estão sendo aprofundados radicalmente pelo golpista Temer, cujo carro chefe no momento é a PEC 55 (antiga 241) que congela todos gastos com investimento públicos por 20 anos.

Isto na realidade pouco importa para a Light que é uma empresa privada e só está preocupada com o seu lucro, não importando se coloca em risco as pesquisas, os laboratórios, a produção de conhecimento e a formação de milhares de estudantes. A Light vai muito bem obrigado, enquanto as universidades suam para pagar as prestações cada dia mais caras da energia que sofreu um duro “tarifaço” em 2015 e segue aumentando seu custo.

É simbólico (ou será que foi premeditado?) que a empresa ataque a Universidade justamente no mesmo dia em que o Senado vota o primeiro turno da PEC 55, com Brasília tomada pelas forças de repressão para garantir a distância dos estudantes e servidores que se opõem ao pacote de ataques de Temer.

Esta claro que a situação da universidade não se sustenta com este congelamento. Esta estratégia de desinvestimento foi a mesma que anos atrás sucateou a Light para vendê-la mais barato e garantir o “ajuste fiscal”, ou melhor dizendo, o corte em serviços públicos para a garantia do pagamento da dívida pública, representado hoje na PEC 55, por isso é preciso que estudantes que lutam contra o “ajuste de contas” que não toca nos altos privilégios da casta política, assuma que esta dívida que só enriquece um punhado de banqueiros não deve ser paga.




Tópicos relacionados

PEC 241/55   /    UFRJ   /    Educação   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar