Política

GOLPISTAS

Líder golpista do Vem pra rua é promovido no governo Temer

Vitória Camargo

Coordenadora do CACH - Unicamp

quinta-feira 6 de outubro de 2016| Edição do dia

Almeida é conhecido por discursar em cima dos carros de som nas manifestações da direita contra o PT, segundo suas palavras “essa organização criminosa”, e Dilma Roussef pelo movimento Vem pra Rua. Em vídeo divulgado um mês antes de sua promoção no governo, é identificado como líder do Vem pra Rua de Brasília e realiza um chamado à população para participar dos atos.

De acordo com dados do Portal da Transparência, o golpista, que antes atuava como analista técnico administrativo do Ministério da Integração Nacional e recebia R$ 5,9 mil, teve seu salário quase dobrado, com a promoção. Almeida passou a receber R$10,2 mil a partir de julho e em agosto, R$ 10,8 mil.

Durante julgamento final de Dilma Roussef, quando o golpe passou no Senado, o líder do Vem pra Rua foi uma das 20 pessoas escolhidas pela acusação para poder entrar no plenário e acompanhar a sessão. Na época, quando já ocupava cargo de confiança no Planalto, publicou selfie em seu Facebook com a legenda “História não só se lê, se faz #queremosumnovobrasil”, escancarando seu papel no processo do golpe.

Em agosto, também participou de audiência pública sobre combate à corrupção, no qual, apesar de declarar à Folha de S. Paulo ter saído do movimento Vem pra Rua há seis meses, foi identificado como representante deste.

De acordo com a Secretaria do Governo, a promoção de Almeida não tem relação com sua participação no processo de impeachment, mas com seu acúmulo junto aos movimentos sociais e com sua “formação ética e moral”.

Esse fato, entretanto, escancara as relações que permeiam o golpe no Brasil. Sob falsa mascara de movimento de combate à corrupção, os interesses dos golpistas se mostram cada vez mais serem outros: manterem seus próprios privilégios, a começar pelos altos salários, e passarem seus ataques.




Tópicos relacionados

Golpe institucional   /    Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar