Mundo Operário

METROVIÁRIOS DE SÃO PAULO

Liberar as catracas do Metrô contra a privatização e em apoio aos professores!

Faria ou não diferença uma liberação de catraca para que os professores possam vencer Doria, e os metroviarios conseguissem construir uma aliança com a população contra a privatização do Metrô de SP?

terça-feira 27 de março| Edição do dia

De olho nas eleições o governador Geraldo Alckmin está numa maratona de entregar obras do Metrô/CPTM. Todas que estavam mais de década atrasada agora é parte da artilharia de campanha eleitoral do tucano para a presidência de 2018. Afinal, qual político em ano eleitoral não gosta de aparecer estampado na capa de um jornal com uma tesoura na mão cortando aquela fitinha de "inaugurado"?

Por trás disso, o que a mídia não mostra, os metroviarios há muito tempo vem denunciando a entrega do patrimônio público através da privatização no transporte. Concessões realizadas que entregam a preço de banana a administração das linhas para as parceiras do governo, como a CCR. Ao mesmo tempo em que se avança os ataques aos trabalhadores, retirando direitos conquistados, fechando postos de trabalho, terceirizando as bilheterias e agora com a tentativa de aplicação da reforma trabalhista.

No município, Doria também está oficialmente lançando candidatura para assumir a vaga do seu mentor no governo do estado. Ou alguém acreditava naquele papo de que não largaria a prefeitura? Puro marketing como sempre.

Um dos objetivos da plataforma do "patrão que se diz peão" é mostrar aos seus amigos empresários, como o execrável Flávio Rocha (dono da Riachuelo), que pode atacar mais os trabalhadores. Tenta fazer em SP o que Temer não conseguiu nacionalmente, aprovando um PL chamado Sampaprev para atacar a previdência dos servidores municipais.

Só que o riquinho prefeito não contava que os professores seriam um obstáculo para o seu plano. A forte greve que paralisou praticamente todas as escolas do município, e se fortaleceu com a entrada também de outros servidores municipais de várias secretarias, a cada dia desmascara seu governo.

Nós metroviarios já aprovamos apoio a essa luta, afinal não é justo atacar a aposentadoria dos trabalhadores, ao passo que os privilégios de empresarios, juizes e políticos só aumentam. Mas precisamos dar um passo além, e transformar esse apoio em uma ação efetiva que ajude os professores vencerem. Mesmo porque, uma vitoria dos companheiros significa também um fortalecimento da nossa luta contra os ataques da privatização e da reforma trabalhista, que estão ameaçados a serem feitos campanha salarial.

Por isso, desde o Movimento Nossa Classe (que está atuando na greve dos professores e também atua em metroviarios), estamos exigindo que a diretoria do Sindicato dos Metroviarios chame um plano de luta, que passe por construir a liberação de catraca. Um método que possibilitaria hoje realizar nossa solidariedade ativa aos servidores em luta, como mostrar a população que estamos ao seu lado contra a privatização do Metrô. Com certeza organizar essa ação, além disso, fortalecerá muito nossa campanha salarial no próximo período, pois se trata de construir na prática uma aliança, dos trabalhadores com o povo, que governo nenhum consegue passar por cima.

Seguiremos essa batalha para que se discuta esse método de luta nas setoriais de base e na próxima assembleia, buscando apoio na categoria, pois não se trata de algo impossível de ser feito, e se as correntes políticas da Diretoria do Sindicato, principalmente a CTB e a CUT que são maioria na entidade, largar mão do sindicalismo "por decreto" e estiverem decididas a realizar essa ação, atraves do sindicalismo de base podemos dar esse grande exemplo.




Tópicos relacionados

Privatização   /    Movimento Nossa Classe   /    Metrô   /    São Paulo (capital)   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar