Educação

Lei da Mordaça: professora é autoritariamente demitida em Santo André

Na ultima terça-feira dia 30/10 a Professora Juliana Lopes, após repetidas pressões e perseguição, foi demitida sumariamente do colégio Liceu Jardim em Santo André. A instituição que se gaba do pioneirismo e qualidade de ensino, larga mais uma vez a frente, sendo a primeira instituição de ensino a proibir a liberdade de cátedra dos professores em troca de não desagradar os polpudos bolsos dos pais dos alunos, que pagam pequenas fortunas para que o Liceu Jardim entregue a mercadoria que compraram, e seguem a onda reacionária que acontece no país com o fortalecimento da extrema direita na figura de Bolsonaro.

sábado 3 de novembro| Edição do dia

O projeto Escola Sem Partido, defendido ferozmente pelos setores mais retrógrados da sociedade e políticos mais interessados em precarizar a educação, busca não apenas perseguir os professores, mas também impedir qualquer tipo de discussão no ambiente escolar sobre os temas de gênero, sexualidade e raça. Sendo o nosso país um dos mais violentos contra esses setores oprimidos no sistema capitalista.
Após a "caça às bruxas" iniciada por sua deputada catarinense Ana Carolina Campagnolo, Bolsonaro soltou vídeo chamando a perseguição aos professores. Dessa forma o “Escola sem Partido” nunca precisou esperar alguma votação para tentar se colocar em prática. Já há algum tempo temos acompanhado diversas formas de assédio e exposição de professores e professoras por esse movimento. Nem bem as urnas esfriaram e o Liceu Jardim já demonstra que seu interesse reside em apenas arrecadar os valores das mensalidades como único fim, demitindo sumariamente a professora que vinha sendo perseguida pelos pais, que alegavam que a professora de história fazia doutrinação comunista.

Em resposta a demissão a professora postou em sua pagina no faceboock a decepção com a instituição que a deixou desprotegida frente ao nível de ameaças de alguns pais. Abaixo relato da professora:

“segunda-feira, dia 29/10, o recado da direção era de que estava terminantemente proibido falar de política naquele dia, inclusive com monitoração das salas.
Eu, que vinha de uma carga de estresse por N coisas, tive uma crise de choro e não suportei ficar na escola aquele dia, avisei a direção e fui embora. Desculpei-me depois por minha atitude, pedi para que meu dia fosse descontado ou algo assim.

Contudo, no dia seguinte, fui chamada para uma reunião com a alta cúpula da escola em que me comunicaram o meu desligamento devido a minha postura no dia anterior e também porque alguns pais, com muito poder econômico e político, me ameaçavam de processo e para minha própria proteção me demitiriam.”

Essa absurda postura da instituição de ensino que não defende seus professores, e sim os demite para sua “própria proteção” deve ser fortemente repudiado, como um ataque direto a uma educação livre. Disseminando a imagem de um professor infrator e semear uma sensação de medo e de vigilância permanente ao se tratar de determinados temas em sala de aula.

O Sinpro ABC (Sindicato dos Professores do ABC) está convocando um ato de repudio a atitude da escola:

Um chamado aos defensores educação, da democracia e da liberdade docente

ATO EM DEFESA DA LIBERDADE DE CÁTEDRA DOS PROFESSORES

Na última terça-feira (30/10), a Escola Liceu Jardim em Santo André, após a ação de apoiadores do projeto Escola Sem Partido demitiu sumariamente a professora de história Juliana Lopes num violento ato de agressão contra o direito de liberdade de cátedra da profissão docente.

Trata-se de demissão inaceitável numa clara atitude contrária aos princípios educacionais inscritos na Constituição e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

O Sindicato dos Professores do ABC faz um chamado às entidades sindicais, os movimentos sociais, ao movimento estudantil e aos defensores da democracia e do livre pensar para participarem de ATO PÚBLICO na porta da Escola Liceu Jardim em Santo André.

ATO EM DEFESA DA LIBERDADE DE CÁTEDRA!
Liceu Jardim
Dia 6.11 (Terça) - 6h30
Rua Silveiras 70 - Vila Guiomar - Santo André

SINDICATO DOS PROFESSORES DO ABC




Tópicos relacionados

Escola sem partido   /    Educação   /    ABC paulista   /    Política

Comentários

Comentar