Política

O PRECONCEITO E O TUCANATO PAULISTA

Junto a PSDB, Malafaia reafirma machismo e LGBTfobia; Doria defende religião contra drogas

Em evento com centenas de líderes evangélicos e a presença de Alckmin e Doria (Temer desmarcou na última hora), o pastor Silas Malafaia defendeu as posições da bancada evangélica contra qualquer tipo de combate à LGBTfobia e ao machismo. Doria defendeu a religião para combater as drogas.

quinta-feira 17 de agosto| Edição do dia

Em discurso ao lado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do prefeito João Doria - ambos cotados para disputar a Presidência da República em 2018 pelo PSDB -, o pastor Silas Malafaia adiantou que a comunidade evangélica não vai negociar princípios e apoiar políticos que defenderem bandeiras como aborto, casamento gay, legalização das drogas e "ideologia de gênero".

"Quem quiser fazer graça na eleição para o politicamente correto, para a ideologia de gênero, casamento gay, legalização das drogas e aborto, vai embora, segue seu caminho", afirmou Malafaia em evento na zona norte da capital paulista que reuniu líderes evangélicos. "Não vamos negociar nossos valores. Não vamos negociar em nenhuma eleição", acrescentou o pastor, que classificou a ideologia de gênero como uma "engenharia do diabo feita para destruir famílias".

Ele foi bastante aplaudido pelos presentes nos momentos em que defendeu os "valores da família".

Alckmin e Doria participaram na manhã desta quinta-feira, 17, de um café da manhã com líderes evangélicos e, na sequência, abriram uma feira de produtos gospel que acontece até sábado no Expo Center Norte, centro de convenções na zona norte da capital paulista. Ambos também acompanharam um culto, onde oraram com as mãos erguidas, tendo a bandeira do Brasil como pano de fundo. Temer, que estaria presente no evento, cancelou na última hora.

Foi a primeira vez em que o governador e o prefeito dividiram o mesmo palanque desde que Doria intensificou sua agenda de viagens pelo Brasil - o que foi visto por aliados de Alckmin como uma campanha antecipada pelo Palácio do Planalto.

Em discurso antagônico ao de Doria, que prega o antipetismo, Alckmin defendeu a "conciliação". "Nós precisamos nos inspirar na igreja. Nos momentos conturbados, a igreja é nosso porto seguro. Precisamos deixar essa divisão de nós contra eles para nos unir em torno de valores. Uma casa dividida não caminha", afirmou o governador, que também destacou a importância da indústria gospel na geração de empregos e o papel social das igrejas evangélicas, mostrando que está disposto a lamber as botas das grandes máfias disfarçadas de igrejas que lucram milhões explorando a fé de seus fiéis.

Doria, por sua vez, exaltou a igreja, disse que o "bem sempre vai prevalecer sobre o mal" e defendeu a religião como saída ao vício das drogas, mostrando que além da política de repressão brutal que implementa na cracolândia, ainda quer acabar com qualquer possibilidade de abordagem laica e respeitosa à questão das drogas. Concluiu sua fala dizendo que "feliz é a nação que tem Deus no coração". Tanto Doria quanto Alckmin deixaram o local sem falar com a imprensa.

Leia também: Bancada Evangélica apoia "semidistritão" de Maia para se perpetuar no Congresso




Tópicos relacionados

João Doria   /    Machismo   /    PSDB   /    Alckmin   /    Homofobia e Transfobia   /    LGBT   /    Direito ao aborto   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar