Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Juízes se mobilizam para ter mesmos privilégios que políticos e militares na nova Previdência

"A expectativa é que os membros da Frente Associativa se engajem para reivindicar junto aos Deputados tratamento similar ao dispensado aos próprios representantes do Congresso e militares de nosso País e minimizar as injustiças”. diz entidade de juízes e promotores que querem manter seus privilégios enquanto os trabalhadores vão ter que trabalhar até morrer.

segunda-feira 8 de julho| Edição do dia

Imagem da greve de juízes que ocorreu em março de 2018.

Nesta última sexta, 5, a Frente Associativa do Ministério Público afirmou que irá “lançar campanha para intensa mobilização das entidades representativas das carreiras”, com o intuito de “sensibilizar os deputados federais contra alguns pontos da Reforma da Previdência”. Que no caso se refere apenas ao ponto referente aos juízes e promotores para ficarem de forma da reforma e manter seus privilégios enquanto a maior parte da população terá que trabalhar até morrer para pode se aposentar.

Em nota, a Frente afirmou que “o objetivo é sensibilizar os deputados contra alguns pontos da Reforma da Previdência: regra de transição; alíquota de contribuição e pensão pós-morte”. Ainda continua: “a expectativa é que os membros da Frente Associativa se engajem para reivindicar junto aos Deputados tratamento similar ao dispensado aos próprios representantes do Congresso e militares de nosso País e minimizar as injustiças”. A justiça a que a entidade se refere significa basicamente preservar os mesmos privilégios que a casta política e o alto escalão das Forças Armadas.

A Frente Associativa é uma entidade integrada da magistratura e do Ministério Público, e aloja mais de 40 mil juízes que ganham salários exorbitantes e vários benefícios milionários. Com a Reforma da Previdência tendo a possibilidade de ser aprovada essa semana, os juízes e promotores estão tentando sua última jogada para saírem da reforma, enquanto o futuro dos trabalhadores será entregue a uma vida miserável em que vão ter que trabalhar até morrer e sem conseguirem se aposentar. A juventude irá sofrer ainda mais com essa reforma, encarando um futuro de desemprego, trabalhos informais e terceirizados, dificultando mais ainda a possibilidade de se aposentarem.

Veja também: Reforma da previdência de Bolsonaro GARANTE privilégios. Conheça 6 fatos que provam isso

Contra os privilégios dos juízes, é necessário que todos sejam eleitos pela população para seus cargos e tenham a revogabilidade também garantida. Para combater os altos salários e benefícios que nenhum outro trabalhador tem, todo juiz deveria ganhar o mesmo salário de uma professora.

É preciso também combater a reforma da Previdência de Paulo Guedes e Bolsonaro, que pode ser aprovada nos próximos dias pela Câmara dos Deputados, essa máquina de garantir privilégios. Ela acaba com o direito a aposentadoria de milhões enquanto aumenta os privilégios ou garante a continuidade dos lucros de uma minoria de capitalistas e da PM.

Os governadores do PT estão apoiando a reforma e ajudando Rodrigo Maia a aprová-la, por isso as centrais sindicais ou boicotaram a greve geral de 14 de junho ou simplesmente não organizam um plano de luta. É necessário exigir que as centrais sindicais garantam ônibus e assembleias nos locais de trabalho para que a manifestação em Brasília agendada para o dia 12 de junho seja parte de um plano de luta.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Reforma da Previdência   /    Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar