Política

ELEIÇÕES 2016 RIO

Juiz do TRE quer punir Freixo por debate na UFRJ

Mais uma vez, o Juiz coordenador da fiscalização à campanha eleitoral, Marcelo Rubioli, quer punir a candidatura de Marcelo Freixo, do PSOL. O motivo dessa vez é um debate público na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) realizado nessa quinta-feira (13) e organizado pela própria universidade, ao qual Crivella se recusou a comparecer.

sexta-feira 14 de outubro| Edição do dia

Não é a primeira vez que a perseguição contra a campanha militante de Freixo se expressa nas decisões de Marcelo Rubioli. Há poucos dias ele afirmou que fiscalizaria rigorosamente a campanha de Freixo em decorrência da propaganda eleitoral feita por professores em seus locais de trabalho.

Agora, ameaça punir Freixo com uma multa que vai de R$ 2 mil a R$ 8 mil reais, por um debate público que sequer foi organizado por sua equipe de campanha. O evento foi convocado pela própria UFRJ, no Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe). Eles informaram que o candidato do PRB, Marcelo Crivella, foi convidado para o evento, mas, como tem feito com os debates televisivos ou qualquer tipo de encontro direto com Freixo, se recusou a comparecer. Ao contrário do que fazem as emissoras, os organizadores do evento na UFRJ optaram por manter o evento com a presença apenas do candidato do PSOL, que demonstrou disposição de ir a público expor suas ideias.

Isso bastou para a sanha repressiva de Rubioli contra uma candidatura de esquerda que não conta com os milhões da Igreja Universal, mas apenas com a disposição militante de milhares de pessoas que estão dispostas a defender a candidatura de Freixo.

O Juiz declarou: "É um ato de campanha. Num ato como esse, não há que se falar em isonomia, porque o local onde está se fazendo a propaganda é proibido por lei. A Justiça Eleitoral vai encaminhar esses documentos produzidos para uma ação de conduta vedada ao agente público".

Freixo respondeu: "Não posso ser punido pela ausência do outro. A universidade é um lugar para se pensar a cidade. O vídeo todo deixa claro que o diretor da Coppe convidou o Marcelo Crivella, que ele não aceitou (o debate), e que vai convidar de novo para que ele faça uma visita, da mesma maneira que eu fiz. Existe uma condição de igualdade entre os dois candidatos. É uma interpretação do juiz. A universidade tem autonomia. Não está escrito em lugar algum que universidade não possa fazer debate político. Não viemos para cá de forma unilateral fazer campanha, a gente aceitou um convite para falar do nosso programa".

A UFRJ, por sua vez, afirmou ter segurança que agiu de acordo com a lei e notificou o TRE sobre os convites feitos a ambos os candidatos.

Temos denunciado desde o início das eleições como as novas regras eleitorais têm por objetivo restringir ainda mais as candidaturas da esquerda e dos trabalhadores. A atuação de Rubioli é uma expressão clara disso, pois se apoia nas restrições legais para perseguir a candidatura de Freixo, enquanto a campanha de Crivella, que certamente ocorre dentro de cada templo da Igreja Universal de seu tio Edir Macedo, continua acontecendo tranquilamente. Além disso, são os patrões, como o mesmo Edir Macedo dono da Rede Record que cancelou um debate sob o ridículo pretexto de uma “mudança de local”, que decidem se a população irá ou não ouvir os candidatos.




Tópicos relacionados

Eleições Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar