Política

PRIVILÉGIOS JURÍDICOS

Juíz do TJ-MG recebeu mais de meio milhão de reais no contracheque do mês de julho

Além desse caso, outros juízes e desembargadores do TJ de MG receberam mais de R$100 mil reais

quarta-feira 25 de julho| Edição do dia

Enquanto o salário mínimo não chega aos R$1.000,00, em um período no qual inúmeros direitos são cortados em nome da crise (Reforma Trabalhista, Lei do Teto de Gastos, Lei da Terceirização, além de todas as privatizações feitas pelo governo que afetam á população), desembargadores e juízes do Tribunal de Justiça de Minas Gerais receberam no mês de julho contracheques acima de R$100 mil reais, sendo que um desses juízes, de entrância especial, recebeu mais de meio milhão de reais.

O teto do serviço público brasileiro é de R$33.7 mil, valor que já escancara a profunda desigualdade de salários, e por consequência a intensa desigualdade social, em nossa sociedade, mas nesse caso, o juiz citado chegou a ganhar 15 vezes o valor do teto (R$501.624,02), no qual R$499.067,87 foi o valor registrado apenas como "vantagens eventuais". O valor teria sido pago a título de indenização por férias - prêmio.

A lei que permite o pagamento do benefício em dinheiro em Minas Gerais foi sancionada em janeiro pelo governador Fernando Pimentel (PT).

Esse não foi o único caso que ultrapassou o já alto teto na folha do judiciário no mês de julho, tendo diversos outros casos, entre eles um outro juiz de entrância especial que chegou a receber R$115.316,45 líquidos, recebendo 83.5 mil somente de vantagens especiais.

Cada vez mais os diretos dos trabalhadores e da juventude são afetados e cortados em nome da falta de verbas, porém sempre há valores disponíveis para os privilégios dos juízes, que além de não terem sido eleitos por ninguém, possuem grandes privilégios para bater o martelo contra a classe trabalhadora.




Tópicos relacionados

Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar