Política

ROUBO DE VOTOS PELO JUDICIÁRIO

Judiciário rouba 1,5 milhão de votos do Nordeste para favorecer Bolsonaro

quarta-feira 3 de outubro| Edição do dia

No dia 26 foi anunciado que o judiciário golpista cassará 3,6 milhões de títulos de eleitores no Brasil. Dentre esses 1,5 milhão correspondem a títulos do Nordeste, região com a menor intenção de votos no candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro.

Esses títulos serão cassados pelo fato de esses eleitores não terem feito a autentificação biométrica, que em si já é uma medida absurda, mas se torna ainda mais absurda quando pensamos que foi decidido de maneira arbitrária quais regiões teriam seus títulos cassados devido à falta do registro biométrico, atingindo mais centralmente a região nordeste onde a intenção de votos em Bolsonaro é baixíssima, e em Haddad altíssima.

É evidente que se trata de mais uma manobra do judiciário golpista que vem atuando de maneira incisiva nessas eleições manipuladas, que nós do Esquerda Diário viemos denunciando desde a prisão do Lula, impedindo o direito do povo decidir em quem votar, através de inúmeros artigos e de nossas candidaturas.

Mais uma vez o judiciário mostra sua face golpista impedindo milhares de cidadãos de exercerem o mínimo direito democrático de votar em seus representantes, tudo para acabar com qualquer possibilidade de resistência - mesmo que passiva - ao golpe em curso para que continuem aplicando cada vez mais ataques à classe trabalhadora para que paguemos pela crise capitalista.

Frente a esse crescente autoritarismo e ativismo do judiciário nós do MRT e do Esquerda Diário defendemos a necessidade de uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, não para estabelecer um novo pacto com a direita golpista, como propõe o PT, mas que seja imposta pela luta e que traga medidas democráticas-radicais. Uma assembleia que possa acabar com o pagamento da dívida, impor que todos casos de corrupção sejam julgados por júri popular, que todo político, juiz seja eleito, revogável e ganhe como uma professora entre outras medidas para responder à crise econômica, política e social do país.

Que nesse processo, possamos tomar decisões como o fim do pagamento da dívida pública, que é um roubo das riquezas nacionais pelos capitalistas estrangeiros. Que possamos de fato legalizar o aborto, algo que sabemos que se o Bolsonaro entrar no governo, vai criminalizar inclusive os casos que são permitidos por lei, mas também sabemos que em 13 anos de governo do PT, esse partido não legalizou o aborto e isso não é um detalhe. Uma Assembleia constituinte onde possamos efetivar todos os terceirizados, sem a necessidade de concurso público. Igualar o salário das mulheres negras, que ganham 60% a menos que os homens brancos no país, e revogar todas as reformas do governo Temer mas também dos governos anteriores.

Avançar assim para conquistar demandas que de fato possam responder a situação que vive a classe trabalhadora e as mulheres hoje no Brasil, para fazer com que seja os capitalista que paguem pela crise e não os trabalhadores. Não queremos pagar pela crise com um governo Bolsonaro que viria para massacrar nossa classe, mas também não queremos pagar por ela com um governo Haddad que já anunciou que existem pontos interessantes na reforma da previdência do governo golpista de Temer, e quer conciliar com os mercados e a direita.




Tópicos relacionados

Eleições 2018   /    Bolsonaro   /    Lula   /    Política

Comentários

Comentar