Internacional

ATO INTERNACIONALISTA DA FRAÇÃO TROTSKISTA

Itália: "Os trabalhadores transformaram a raiva em luta"

Direto da Itália, Scilla Di Pietro, militante da Frazione Internazionalista Rivoluzionaria (FIR) discursa no ato virtual internacionalista da Fração Trotskista - Quarta Internacional. "A Itália se tornou um exemplo da catástrofe, à qual fomos arrastados pelas políticas de um governo a serviço das grandes indústrias e dos bancos."

sexta-feira 1º de maio| Edição do dia

"A Itália se tornou um exemplo da catástrofe, à qual fomos arrastados pelas políticas de um governo a serviço das grandes indústrias e dos bancos."

Diante da pandemia do Covid-19, a Itália se tornou um dos países mais atingidos no continente Europeu, com mais de 204 mil casos confirmados e quase 28 mil mortos. Com o colapso do sistema de saúde, decomposto por décadas de neoliberalismo, o país foi submetido a uma quarentena militarizada e policialesca. O isolamento imposto com repressão nas ruas imediatamente passaram a contrastar com a continuidade das contaminações, promovidas pelas medidas governamentais e empresariais que privilegiaram o lucro acima da vida.

"No epicentro do contágio, na Lombardia, a cidade de Bérgamo se tornou o foco de um massacre capitalista promovido pelos proprietários industriais, que pressionaram para manter as indústrias abertas, causando assim uma difusão sem precedentes do vírus e um aumento das mortes"

O primeiro-ministro Giuseppe Conte exigiu o encerramento de todas as "atividades não essenciais", mas, sob pressão do grande empresariado, abriu uma série de brechas às indústrias dos principais polos produtivos do país. A atividade foi mantida não só para os fabricantes de armamentos e aeronáutica, mas também em eletrodomésticos, na indústria pneumática, em grande parte do setor têxtil, na construção de obras públicas e em boa parte do setor mecânico, metalúrgico e siderúrgico - tudo sob as mais precárias condições de segurança diante do vírus.

"a luta dos trabalhadores começou a romper esta ofensiva reacionária. Os trabalhadores, com os metalúrgicos e os transportadores à frente, com mobilização e greve selvagem, transformaram a raiva em luta. Se os postos de trabalho não foram reabertos em massa imediatamente não foi graças ao governo, mas graças à luta dos trabalhadores"

A farsa da quarentena - a obrigação da reclusão domiciliar para uma parte da população, enquanto outra se encontrava obrigada a permanecer trabalhando nas fábricas completamente contaminadas - imediatamente atiçou um amplo processo de protestos nos locais de trabalho e greves, que irromperam desde o descontentamento da base, passando por cima das direções sindicais tradicionais. Estas últimas se viram obrigadas a chamarem uma greve geral no dia 25 de março, onde exigiu-se o fechamento dos locais de trabalho que não conseguirem garantir condições plenas de segurança para os trabalhadores (com dispensas remuneradas), assim como o abastecimento de equipamentos adequados e EPIs para os trabalhadores industriais e da saúde.

A Frazione Internazionalista Rivoluzionaria esteve acompanhando ao lado dos trabalhadores cada uma dessas lutas, levantando um programa pró-trabalhadores, contra a lógica gananciosa do Estado, das indústrias e das burocracias conciliadoras, e exigindo a formação de comitês de higiene e segurança compostos por trabalhadores em cada fábrica, para que os trabalhadores decidam se é possível produzir e o que é necessário produzir. Estas e outras batalhas podem ser encontradas no La Vocce della Lotte, uma mídia classista que faz parte da Rede Internacional de diários virtuais La Izquierda Diario, impulsionada na Itália pela FIR.




Tópicos relacionados

1 de Maio   /    Primeiro de Maio   /    Internacional

Comentários

Comentar