Internacional

ORIENTE MÉDIO

Israel: Netanyahu e Gantz formam um governo de coalizão. Um desastre para o povo palestino

Há 16 meses, o Estado de Israel estava sem governo. Desde segunda-feira, Netanyahu e seu rival Gantz concordaram em formar um. Boas notícias para Netanyahu, não para os palestinos.

quinta-feira 23 de abril| Edição do dia

Crédito imagem: GPO / Omer Meron

Após 3 eleições legislativas e 16 meses de governo de transição, o Estado de Israel tem novamente um governo. Netanyahu e Gantz concordaram com a formação de um governo de "união e emergência", segundo a declaração conjunta dos dois partidos.

No entanto, alguns dias antes, Gantz havia fracassado na formação desse governo de coalizão com Netanyahu. Sua decisão de renegar sua promessa de nunca formar um governo com Netanyahu destruiu seu partido, o Partido Azul e Branco. E esse acordo vai permitir salvar a cabeça de Netanyahu que é acusado por três casos de corrupção, fraude e abuso de confiança. O julgamento está programado para começar em 24 de maio após ter sido adiado devido ao coronavírus.

Coronavírus: um benefício para Netanyahu

Embora não tenha ganhado as duas primeiras eleições legislativas, Netanyahu e seu partido, o Likoud, conquistaram 3 cadeiras a mais do que o Partido Azul e Branco na terceira eleição. No entanto, isso não foi suficiente para que ele formasse um governo. Seu julgamento foi aberto e Gantz foi acusado de assumir o controle e tendo falhado por sua vez, o que resultou na negociação de Gantz e Netanayhou por governo de unidade nacional em plena epidemia de Coronavírus.

Enquanto isso, Netanyahu usou a epidemia como justificativa para fechar o parlamento e os tribunais. Portanto, seu julgamento foi adiado e a ausência de um parlamento impediu o Partido Azul e Branco de propor uma votação de uma lei para impedir a administração do Estado por uma pessoa que enfrenta um processo judicial. O Estado de emergência foi declarado por Netanyahu, o que permitiu que o primeiro-ministro tomasse todo o poder junto a seus homens de confiança. Fala-se até mesmo de um "golpe de Estado rasteiro" no Estado de Israel.

É frente a essa situação que Gantz se abdica, o que demonstra claramente que ele nunca foi uma alternativa credível frente a Netanyahu.

Um acordo perfeito para Netanyahu

As negociações e o "golpe de Estado rasteiro" provocaram uma onda de protestos e manifestações, apesar do Estado de emergência. No domingo, milhares estiveram nas ruas, usando máscaras e se posicionando a dois metros de distância entre si, em Tel Aviv.

O Coronavírus aumentou a taxa de desemprego de 3,6% para 26%. Este é mais um fator que poderia promover sobressaltos na luta de classes no país.

No entanto, Netanyahu pôde respirar um pouco mais tranquilamente. O acordo de Gantz o deixa no poder pelos próximos 18 meses. Gantz assumirá normalmente o cargo de Primeiro-Ministro nos 18 meses restantes de sua legislatura. Mas nada obriga Netanyahu a deixar seu posto. Se a situação política for mais favorável a ele após os 18 meses, ele poderá, se quiser, convocar novas eleições.

Do ponto de vista da justiça, Netanyahu tem a garantia de poder opor seu veto à escolha do próximo procurador do Estado. Se isso não bastasse, o comitê de nomeação dos juízes, que estava no centro dos desacordos entre Gantz e Netanyahu, será composto pelo Ministro da Justiça e outro ministro do Likoud, mas também outro legislador do partido de Netanyahu.

Um acordo catastrófico para o povo palestino

A boa notícia para Netanyahu é uma catástrofe para o povo palestino. Os acordos entre os dois partidos prevêem a aplicação da "soberania israelense nos assentamentos na Judéia e Samaria" a partir de 1º de julho. Isso significa dar um grande passo na colonização dos territórios palestinos. Isso se encaixa no "plano de paz" de Trump para anexar o Vale do Jordão, que representa 30% da Cisjordânia.

A única condição para isso é a aprovação da administração dos EUA. Não há dúvida de que Trump, à medida que as eleições se aproximam, será zeloso em seguir nessa direção, a fim de solidificar a base de seu eleitorado evangélico.

Netanyahu é o grande vencedor deste acordo, repelindo um pouco mais a sua queda. Ele pode tentar frustrar a justiça com a nomeação do juiz ou aplicar seu veto. A desintegração do Partido Azul e Branco e sua participação no governo impedem qualquer ofensiva pela via parlamentar. Se a Suprema Corte decidir proibi-lo de exercer o poder, haverá novas eleições. Saberemos isso quando seu julgamento reabrir em 24 de maio.

No entanto, Netanyahu terá que enfrentar uma situação cada vez mais complicada para ele. O descontentamento não para de crescer. Suas medidas antidemocráticas colocam lenha na fogueira. O fracasso da ilusão do Partido Azul e Branco sem dúvida levará os israelenses a aumentar sua pressão nas ruas, especialmente porque a situação econômica está fortemente impactada pela pandemia e que mais de um quarto da população está desempregada. A colonização de 30% da Cisjordânia não acontecerá sem a reação do povo palestino contra essa política criminal.




Tópicos relacionados

golpe   /    Palestina   /    Estado de Israel   /    Conflito Palestina-Israel   /    Israel   /    Internacional

Comentários

Comentar