Política

INTERVENÇÃO FEDERAL RJ

Intervenção Federal no RJ deixa mais de 800 mortes e general diz: "temos que ver o todo"

A Intervenção Federal no Rio de Janeiro segue deixando vítimas, marcando as ruas cariocas de sangue de trabalhadores, jovens, negros e mulheres. Diante desse cenário, o general do Exército Antonio Barros pede que as pessoas olhem o processo como um "todo", ignorando mortes como Marcos Vinicius, Marielle e Anderson.

quinta-feira 30 de agosto| Edição do dia

À frente do Comando Conjunto de operações da intervenção federal do Rio, o general do Exército Antonio Barros afirmou nesta quinta-feira, 30, que não há "milagre" nem "varinha de condão" no combate à violência no Estado, e chamou os traficantes de drogas de "marginais irracionais". Ele atribuiu à imprensa o fato de que a sensação de segurança da população não melhora na proporção de alguns índices positivos da intervenção, como a diminuição dos roubos. Os homicídios subiram.

"Está no patamar que gostaríamos? Claro que não. Queríamos que não tivesse uma vítima, um disparo. Mas temos que ver o todo. Os problemas estão sendo abordados e resolvidos", disse o general a jornalistas que foram ao Comando Militar do Leste (CML) acompanhar visita do presidente Michel Temer (MDB). A Intervenção declarada por Temer em fevereiro deixaram 895 mortes por confronto policial. O cenário carioca brutal: é como se fossem mortos pela polícia uma pessoa a cada 6 horas. É diante deste cenário que o general pede para que leve-se em consideração o "todo", passando por cima de mortes de trabalhadores, jovens e negros, como o caso emblemático de Marcos Vinicius, morto com um tiro na barriga dentro da escola. "Como nós vamos melhorar a sensação de segurança se não falamos o que está dando certo? Será que está tão ruim assim que não tem nenhum resultado positivo? Tivemos 400 carros recuperados, mais de 1000 barreiras removidas (em favelas)."

Dizendo-se "satisfeitíssimo", o presidente Temer afirmou mais cedo no CML que os números relativos à intervenção federal são "extraordinários", e que a aprovação popular à medida "deve ser comemorada". Além do Rio de Janeiro, Temer também decretou a Garantia de Lei e Ordem em Roraima, para reprimir os imigrantes venezuelanos.

Em poucos meses da intervenção, a população tem duvidado do impacto positivo, e houve um aumento em 10% no número de pessoas que rechaçam a Intervenção Federal no Rio de Janeiro, e o grupo que mais se manifesta contrários são justamente os grupos que sofrem ainda mais nas mãos da polícia e do exército: jovens, negros e mulheres. Moradores da Rocinha, Maré e Complexo do Alemão, denunciaram abusos de distintos tipos vindo dos militares após um dia de terror em operações que duraram 12 horas na terça feira, dia 21 de agosto.




Tópicos relacionados

Intervenção Federal   /    Exército   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar