Internacional

INFLAÇÃO

Inflação na Argentina: o quilo de pão vai para as nuvens e ultrapassa 90 pesos

O preço do quilo do pão na Argentina se convertido dá aproximadamente R$ 10 reais. Em Buenos Aires hoje custa 90 pesos e pode aumentar ainda mais.

quinta-feira 6 de setembro| Edição do dia

Em grande parte do país hoje, um aumento de 15% foi estabelecido e continuará a aumentar acima dessa porcentagem. Em grande parte do país hoje, um aumento de 15% foi estabelecido e continuará a aumentar acima dessa porcentagem.

Com uma inflação que oscila em torno de 42%, segundo dados oficiais, a comida aumenta diariamente e até grandes cadeias de supermercados não vendem diversos produtos especulando que o preço a ser vendido é mais caro segundo o preço do dólar.

No sentido do ajuste que vem ocorrendo, as tarifas de serviços de eletricidade, gás e água aumentaram o transporte. A comida não está isenta da constante mudança no preço do dólar e o preço da farinha aumenta quase 50% e o preço do pão sobe diretamente. O custo da cesta familiar é superior a 30.000 pesos e faz parte do ajuste realizado pelo governo para mudar e que ataca diretamente o bolso dos trabalhadores.

O preço do pão hoje aumentou 15% em grande parte do país e superou esse percentual na capital federal, de modo que o quilo do produto chegará a 90 pesos em alguns bairros portenhos e pode continuar a aumentar se o preço instável do saco de farinha aumenta.

O preço da sacola de 50 quilos de farinha teve um preço de 600 pesos na semana passada e hoje está vendendo entre 900 e mais de 1.100 pesos, segundo o presidente da Câmara de Padeiros Industriais da Capital Federal, José Álvarez.

Adicionado o aumento nos serviços e aluguéis e a queda no consumo. "Você sente a raiva das pessoas. Está acontecendo da mesma forma que em 2002. É preciso haver controles", reiterou Álvarez, pedindo maior controle governamental sobre as usinas que marcam o preço da farinha de acordo com os valores internacionais e o dólar. Não pode ser produzido se você não souber o custo do saco de farinha. Se eles cobram o preço internacional, o trigo não poderia ser superior a 600 pesos e hoje estamos pagando 1100. O preço do pão hoje aumentou 15% em boa parte do país e vai subir acima desse percentual na capital federal, de modo que o quilo do produto chegará a 90 pesos em alguns bairros portenhos.

"Alguns colegas já estão vendendo hoje o quilo de pão a 90 pesos, mas há uma forte dispersão por área e qualidade", disse o presidente da Câmara de Padeiros Industriais da Capital Federal, José Álvarez.

O preço da sacola de 50 quilos de farinha teve um preço de 600 pesos na semana passada e hoje está vendendo entre 900 e mais de 1.100 pesos.

Neste cenário de escassez de oferta, Alvarez disse que algumas distribuidoras saíram para vender a sacola de 50 quilos com um aumento de 50% e "há até mesmo padarias que precisam produzir e já estão pagando mais de 1.100 pesos à sacola".

Ele também afirmou que muitas padarias da capital federal "estão derretendo e estão fechando" devido ao aumento dos custos de produção, que "nunca aconteceu, nem em 2002, quando também houve especulação sobre o dólar".

"De uma tonelada de trigo, os moinhos consomem 75% da farinha e os outros 25% convertem em alimentos balanceados, pelotas, etc. Com isso, eles pagam os custos". Nesse sentido, o presidente da Casa dos Padeiros acrescentou que "fizemos uma padaria e ninguém nos chamou", em referência ao protesto realizado no Congresso em 25 de abril, quando doaram 5.000 quilos de pão e exigiram que o "taxa de emergência econômica".




Tópicos relacionados

Mauricio Macri   /    Fundo Monetário Internacional - FMI   /    Inflação   /    Internacional

Comentários

Comentar