Mundo Operário

CORONAVIRUS

Indústria de cosméticos em PE será usada para produzir álcool gel. Que os trabalhadores controlem a produção!

Governo do estado recolheu ontem álcool em gel de uma fábrica de cosméticos. É necessário que os tralhadores assumam o controle da produção, redirecionando ela para combater a epidemia de coronavírus.

sábado 21 de março| Edição do dia

Com o avanço da crise do Coronavírus no estado de Pernambuco, o governo resolveu "intensificar" as medidas para conseguir insumos. Na tarde de ontem, a ação da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) recolheu numa fábrica álcool gel cosméticos em Abreu e Lima, no Grande Recife.

No entanto, a ação garante que "pagamento posterior de indenização justa". O empresário, inclusive disse que estaria "disposto a ajudar" caso chegassem um acordo.

Isso só torna evidente como que a atual estrutura produtiva no país poderia estar sendo utilizada para resolver a crise sanitária que enfrentamos, através do redirecionamento da produção.

No entanto, mesmo os empresários "dispostos a colaborar" só estão dispostos mediante acordos em que seus lucros sejam garantidos, enquanto isso não se incomodam de estocar produtos essenciais que estão em falta.

Isso mostra a necessidade que a classe trabalhadora assuma já o controle da produção e produza os insumos necessário para combater essa crise. Exemplos da potencialidade disso já foram dados pelos professores de Rosário, na Argentina, que se organizaram para produção de álcool em gel nos laboratórios, ou operários de fábricas de sapato em Antacal, na Espanha, que transformaram a produção da fábrica para a produção de máscaras, como demonstrações de solidariedade operária.

Nas mãos dos empresários, esse fornecimento carrega a hierarquização do lucro e o desprezo das condições de segurança e prevenção dos trabalhadores. Nesses serviços que podem cumprir papel central na crise sanitária: as jornadas deveriam ser reduzidas sem diminuição salarial, para que haja menos exposição ao vírus; liberação de todos os grupos de risco também sem corte salarial; efetivação dos terceirizados; novas contratações.

Para pensar medidas como essa, é preciso colocar a vida dos trabalhadores acima dos lucros, e isso só será efetivado com a força da organização dos trabalhadores. É por isso que medidas como estas as grandes centrais sindicais, como CUT e CTB, dirigidas pelo PT e PCdoB, deveriam encampar, mas por enquanto apenas consentem com as medidas ineficazes e que beneficiam o lucro dos patrões apresentadas pelos governos. Centrais como a CUT e CTB que dirigem centenas de sindicatos de categorias fabris deveriam estar criando em cada fábrica comitês de segurança em que os trabalhadores discutissem uma saída para essa crise e tivessem ações de impulsionamento do controle operário.

Veja também: Álcool-gel gratuito para todos? Sim, se os operários químicos controlassem as fábricas

E também:Por um plano de guerra organizado por operários para combater o coronavírus




Tópicos relacionados

Pernambuco   /    Recife   /    Coronavírus   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar