Mundo Operário

USP

Importante vitória das professoras das creches da USP

As educadoras das creches da Universidade de São Paulo obtiveram uma importante vitória contra a reitoria da USP que não as reconheciam como Professoras de Educação Infantil e sim como técnicas de apoio educacional. Foi uma batalha de quase 20 anos até que esse reconhecimento viesse.

terça-feira 20 de outubro| Edição do dia

As creches da USP são reconhecidas internacionalmente pelo projeto educacional que desenvolvem. Desde 2003 o estado passou a exigir das educadoras de creches e pré-escola e educação básica formação de nível superior. E embora as educadoras das creches da USP cumpram todos os requisitos e sejam inclusive reconhecidas pela comunidade científica como educadoras, com projetos de pesquisas em curso, a Universidade de São Paulo se recusava a reconhecer essas profissionais como professoras. Foi uma batalha de quase 20 anos que agora conseguiu essa importante conquista.

As creches da USP não são só reconhecidas pela pesquisa, mas também pela resistência e combatividade. A conquista de creches nos campi da universidade foi fruto de uma forte mobilização de trabalhadoras, docentes e estudantes. Conhecida como a Passeata dos bebês, centenas de mulheres da universidade marcharam para exigir o direito à creche. A conquista desse direito elementar às mães trabalhadoras e estudantes acompanhou a luta pela atenção à infância entendendo a educação infantil também como um direito da criança contra a visão dos governos e da burguesia de creches e pré-escolas como depósitos de crianças.

São também importante foco de resistência contra as políticas de desmonte da universidade. Desde 2014 a reitoria da USP diminuiu a oferta de vagas nas creches e fechou algumas delas, como a creche Oeste que fica no campus do Butantã. Mães e pais junto as trabalhadoras das creches e da universidade tem lutado para reverter esses ataques e ampliar as creches. Uma luta que se fortalece com essa importante vitória.

Diana Assunção, trabalhadora da Faculdade de Educação da USP e candidata a vereadora pela Bancada Revolucionária acompanhou essa batalha:

"Estou muito feliz, e vi cada uma dessas guerreiras em duas décadas de luta incansáveis e com elas também aprendi muito. Aprendi sobre a importância das creches na formação da criança e pude ver os projetos que essas educadoras desenvolveram ao longo dos anos. A reitoria da USP tem avançado contra as creches, fechando a creche Oeste e atacando as demais, reduzindo o número de vagas e aumentando a sobrecarga de trabalho e o assédio contra as educadoras. Um imenso ataque aos trabalhadores e estudantes, especialmente sobre as mulheres, pois sobre nós recai as responsabilidades com a educação e cuidado das crianças. Essa vitória é um importante marco na luta contra o desmonte da universidade e fortalece todos os trabalhadores da USP!"

Vitória das professoras de Educação Infantil das creches da USP!

Em meio a tantas coisas ruins hoje é um dia muito...

Publicado por Diana Assunção Soubihe em Terça-feira, 20 de outubro de 2020

Marcello Pablito, trabalhador da USP e parte da Bancada Revolucionária também acompanhou essa luta. Em suas redes ele declarou:

“Em meio a tantas coisas ruins hoje é um dia muito especial, porque é o dia de uma importante conquista depois de mais de 20 anos de lutas das educadoras das creches da USP para serem reconhecidas como professoras de educação infantil. Foram muitas dificuldades mas que não foram suficientes para calar a luta dessas educadoras, de todos os trabalhadores das creches e da USP que seguiram incansavelmente pelo seu reconhecimento. Uma vitória dessas lutadoras e de todos os trabalhadores, estudantes e professores da USP, uma vitória das batalhas da nossa classe contra toda a intransigência da reitoria e do governo de Dória! “

Vitória das professoras de educação infantil das creches da USP!!!!

Em meio a tantas coisas ruins hoje é um dia muito...

Publicado por Marcello Pablito Dos Santos em Terça-feira, 20 de outubro de 2020




Tópicos relacionados

luta por creches   /    Professores   /    USP   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar