Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Ideias de Esquerda entrevista Gilson Dantas sobre curso da história do trotskismo no Brasil

Redação

Ideias de Esquerda entrevista Gilson Dantas sobre curso da história do trotskismo no Brasil

Redação

O Ideias de Esquerda entrevistou Gilson Dantas, militante trotskista setentista, doutor em sociologia e médico (UnB), sobre seu curso no Campus Virtual do Esquerda Diário que irá abordar a história do movimento trotskista no Brasil desde o pós-guerra. O curso terá início em 13/08.

Pergunta: Qual a razão de ser desse curso sobre História do trotskismo no Brasil?

Resposta: Diferentes gerações temos nos ocupado de construir outra sociedade no Brasil, sem opressão, livre das mazelas e crimes sociais do capitalismo e onde a classe trabalhadora possa varrer com essa sociedade de patrões e com toda forma de opressão. O que a juventude atual tem a aprender com as velhas gerações de revolucionários? Esse é o ponto de partida do curso. O que as velhas lutas e derrotas podem trazer de ensinamentos políticos-teóricos para hoje?

P: Certo. Mas por que o trotskismo?

R: O trotskismo nasceu diretamente do interior da liderança marxista, revolucionária, da única revolução proletária consciente e triunfante. Nasceu como uma corrente que tratou de levar adiante, através de Trotski e da IV Internacional, justamente as lições estratégicas da Revolução Russa. Mas também e, ao mesmo tempo, nasceu rechaçando, pela raiz e já nas origens, aquilo que depois ficou conhecido como o “socialismo real”, isto é, o stalinismo, a usurpação política do protagonismo da classe trabalhadora e sua substituição por uma burocracia parasitária, e crescentemente restauracionista do capitalismo. Nada mais pertinente do que nos perguntarmos – e essa questão atravessa todo o curso -: qual foi o papel dessa corrente histórica e estratégica no Brasil?

P: E qual foi o papel do trotskismo? Afinal nunca ganhou peso de massas por aqui.

R: Nenhuma das correntes que ganhou peso de massas no Brasil [em especial o stalinismo do PC] se manteve de pé ou levou uma revolução ao triunfo, quando as condições de aproximavam disso. Nem o stalinismo, o neo-stalinismo, o reformismo ou o neorreformismo, no Brasil, nenhum deles se converteu em uma força material e moral capaz de triunfar sobre o capitalismo ou mesmo de apontar a estratégia para vencer. Costumam se adaptar à colaboração de classe e degenerar.

No entanto, tampouco as correntes que historicamente reivindicaram o trotskismo conseguiram ser alternativa nos grandes processos mais agudos da luta de classes, especialmente aquele que antecedeu o golpe militar de 1964, mas também o ascenso operário e popular de fins dos anos 1970 é que atravessou a década de 1980, desembocando no regime de 1988, da transição pactuada com a ditadura.
Essas correntes se afastaram (em alguns casos abertamente, em outros sem reconhecê-lo) dos princípios do marxismo revolucionário, da III Internacional de Lênin/Trótski, e da IV Internacional, para além de alguns acertos que possam ter tido em questões parciais. Nesse sentido, são correntes que vivem embaladas por aquilo que chamaríamos de deriva estratégica.

A pergunta central do curso será essa: o trotskismo no Brasil, em todas suas variantes [não existiu um só trotskismo] teve, alguma vez, política capaz de criar força material e moral na classe operária? Deixou legado nesse sentido? Como explicar por que não cresceu e, ao contrário, deixou amplo espaço para que correntes históricas sem razão alguma de existir – o stalinismo, o maoísmo – ainda vegetem e confundam um setor da juventude?

P: Então a abordagem do curso é crítica, é de balanço crítico?

R: Exatamente. Quais as lições que a corrente mais promissora da esquerda deixou para a juventude ativista e revolucionária atual? Dizemos promissora ser aquela que procura se referenciar pelo legado da Revolução Russa de Lênin e Trótski e também por ser a única que, além de anticapitalista - como outras -, defende o protagonismo da classe trabalhadora na revolução e na construção do novo Estado operário transicional.

O que mais pode ser dito, nessas palavras de apresentação ao curso?

Para qualquer um está claro que a Revolução Russa é inimitável, também para Trótski, mas para ele, a Revolução Russa traz uma lição de estratégia, um legado principista, programático e estratégico sem o qual nenhuma revolução contemporânea triunfa e se autossustenta.

Opinamos que Trótski tem razão. E que isso explica, inclusive, porque revoluções contemporâneas degeneraram. O curso pretende fazer uma viagem por essa estrada: a corrente que se conecta com o legado atual da Revolução Russa, que histórias políticas, que legado e que lições estratégicas tem para que a juventude atual não cometa os mesmos erros dos vários trotskismos e, finalmente, em nome inclusive das gerações trotskistas anteriores e da minha, a vanguarda atual possa se fundir conscientemente à classe trabalhadora e triunfe, abrindo caminho para uma série de revoluções, para o comunismo, salvando a humanidade da barbárie social e ambiental e afirmando, finalmente, o gênero humano.

Para se inscrever no Campus Virtual e no curso clique aqui.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Trotskismo]   /   [comunismo]   /   [Leon Trótski]   /   [Marxismo]   /   [Teoria]

Redação

Comentários