Internacional

HUNGRIA

Hungria: milhares de trabalhadores protestam contra a chamada "lei dos escravos"

Milhares de manifestantes repudiaram a aprovação do que eles chamam de "lei dos escravos". O governo ultra-direitista está pressionando por uma reforma que favoreça as montadoras alemãs.

sexta-feira 14 de dezembro de 2018| Edição do dia

A polícia reprimiu nas primeiras horas desta quinta-feira uma manifestação em Budapeste contra a aprovação parlamentar de uma emenda à lei do trabalho, que agora é popularmente conhecida como a "lei dos escravos", promovido pelo primeiro-ministro Viktor Orbán, que acaba favorecendo as montadoras alemãs instaladas no país.

A capital húngara tornou-se, após a aprovação da lei, uma panela de pressão. Manifestantes contra a "lei da escravidão" se reuniram em frente do Parlamento, marcharam através da cidade à sede do Fidesz, o partido do primeiro-ministro Viktor Orbán, onde a polícia usou gás lacrimogêneo contra um grupo de pessoas que queriam entrar no edifício. A multidão também bloqueou a Ponte das Correntes, um dos símbolos de Budapeste.

O projeto de lei, que foi apresentado em 20 de novembro, tem por objetivo permitir, nomeadamente, que um trabalhador fazer até 400 horas extras por ano, em comparação com 250 permitiu até agora, e permite às empresas pagar as horas até 36 meses depois de ter sido trabalhado. Em teoria, as horas extras são voluntárias, mas, na prática, por medo de perder o emprego, alguns trabalhadores são forçados a trabalhar 6 dias por semana.

A manifestação veio depois que a maioria de dois terços do partido nacionalista conservador Fidesz aprovou a lei na Câmara. Os manifestantes, em sua maioria jovens, gritavam frases referentes à lei aprovada, como "Viemos trabalhar algumas horas extras" ou "Fora Orbán".

Laszlo Kordas, presidente da Confederação dos Sindicatos húngaros, disse quarta-feira em uma entrevista com a estação de rádio húngara Inforadio que "não está excluída a possibilidade de organizar greves e bloqueios de estradas." Já hoje, existem bloqueios de caminhões no entorno de Budapeste, na cidade universitária de Veszprem, perto do Lago Balaton, como anunciado pelo sindicato Vasas na noite de quarta-feira. Kordas disse: "Os planos do governo não são novos. Há um ano, tentou um aumento drástico de horas extras permitidas. Naquele momento, fracassou devido à grande resistência dos sindicatos. Portanto, o governo com a sua nova lei não tem apoio de ninguém, exceto das empresas da indústria de automóveis alemã".

A denúncia que os sindicatos fazem sobre a pressão de grandes empresas como a VW ou a BMW são reconhecidas descaradamente pelos membros do governo. O ministro das Relações Exteriores, Peter Szijjarto, disse durante sua visita a Düsseldorf que as montadoras alemãs há muito pediam ao governo húngaro que assegurasse que tivessem a "força de trabalho" necessária. "Agora eles estão felizes", disse o ministro.

O primeiro-ministro Orbán cimentou seu governo com um discurso ultra-direitista, ódio contra os migrantes e contra a União Européia. No final de agosto, o húngaro se reuniu em Milão com o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, para colocar a pé uma fachada contra os imigrantes.

Protestos contra a “lei da escravidão" que Órban impulsionou mostra que as forças de avanço de discursos nacionalistas de extrema direita encontra resistência ao aplicar seus planos de reforma verdadeiros servindo grandes empresas multinacionais na Europa, como a indústria automobilística Alemã.




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar