Juventude

NO ATO CONTRA O GOLPE

"Houve violência policial desde o início": relato de um dos presos em Caxias do Sul em ato contra o golpe

Relato de um manifestante, Leonardo Cechin, que foi preso no ato contra o golpe em Caxias do Sul na quarta-feira (31). Publicado primeiramente no Face, ele mostra como os policiais o revistaram de maneira violenta e truculenta até o fim, bem como a violência que ficou clara no video de policiais espancando um advogado negro.

quinta-feira 1º de setembro| Edição do dia

"Na noite de ontem, 31/08, aconteceu em Caxias um ato contra o golpe de Michel Temer, que foi convocado com urgência em decorrência da votação no Senado. Estivemos presentes pois não reconhecemos este governo ilegítimo que imporá anos de retrocessos contra o povo.

Por volta de 23h, quando se encerrou a manifestação, as pessoas dispersaram e estávamos nós dois indo para o ponto de ônibus, quando duas viaturas da Brigada Militar chegaram. Parou uma em frente e outra atrás, como se fôssemos perigosos, como se fôssemos fugir. Iniciaram uma abordagem extremamente truculenta, abusiva e desrespeitosa, dessa forma nos revistaram e nos informaram que seríamos conduzidos para a Delegacia de Polícia Civil, alegando flagrante de pixação, sendo que em nossa posse não havia nenhuma lata de spray. Os policiais recolheram uma em uma lixeira próxima e afirmaram ser nossa, dizendo que tinham gravações de nós jogando fora o spray. Disseram também que haviam monitorado toda a manifestação pelas câmeras de segurança municipais desde o início.

No momento da abordagem gritamos por ajuda e pedimos para um único manifestante que ainda estava na rua, que voltasse na praça onde havíamos encerrado o ato pra ver se ainda tinha alguém que pudesse nos ajudar. Nisso as pessoas começaram a se aproximar com celulares filmando, entre elas Mauro e Vinícius. O senhor Mauro é um advogado negro que estava vindo buscar seu filho Vinícius como costuma fazer frequentemente. Vinícius avisou para ele que precisávamos de ajuda e então Mauro veio acompanhar a abordagem dos policiais se colocando como nosso advogado. Perguntou a um deles o que estava acontecendo e como resposta foi empurrado para trás, o policial disse pra que ele "se colocasse no lugar", ele tirou sua carteira da OAB para se apresentar mas isso foi indiferente para eles, inclusive os deixando ainda mais irritados. As cenas seguintes são as do vídeo divulgado na página da Mídia Ninja.

Fomos algemados, recebemos ameaças e xingamentos e fomos conduzidos como criminosos até a DP. Houve abuso de autoridade e violência policial desde o início. Ficamos detidos até quase 5h da manhã. Ao todo éramos seis pessoas, nós dois acusados de pixação, uma moça acusada de desacato por vaiar a ação policial, um rapaz que estava filmando, além de Mauro e Vinícius. Vinícius segue detido na Penitenciária Industrial de Caxias do Sul acusado de tentativa de homicídio contra um dos policiais. Assim como nós é apenas um jovem que se expressou politicamente, cursa direito e nunca cometeu algo como o que estão acusando.

O tratamento recebido por todos nós não foi em decorrência de pixação ou desacato, mas sim a resposta do Estado à uma manifestação contra o Presidente golpista.

Precisamos nesse momento de toda solidariedade e apoio possível contra a criminalização dos movimentos sociais, que faz parte da conjuntura que vai à direita com esse golpe. Por nós, por aqueles que foram detidos conosco e por todos os outros que ainda serão a partir de agora.

O período que se incia a partir de agora, é de acirramento da luta de classes e portanto exige que enfrentemos essa situação nas ruas, ontem foi só o primeiro dia. Não nos acovardaremos agora, é urgente mobilizarmos todos contra a violência policial e o processo absurdo que Vinícius está respondendo, por isso chamamos as pessoas que compuseram o Fora Temer a organizar uma nova manifestação o mais urgente possível.

FORA TEMER E ABAIXO A REPRESSÃO POLICIAL!"




Tópicos relacionados

Golpe institucional   /    Governo Temer   /    Michel Temer   /    Caxias do Sul   /    Impeachment   /    Repressão   /    Violência Policial   /    Juventude

Comentários

Comentar