EMBRAER

Haddad se compromete a não reverter a venda da Embraer

Temer deu aval a essa entrega, que Haddad está sinalizando pouca, ou nenhuma disposição de reverter, covarde perante o golpismo que busca pactuar, espera beijar a mão do judiciário pró-imperialista para tomar alguma atitude.

Ítalo Gimenes

Campinas

quarta-feira 26 de setembro| Edição do dia

A venda da Embraer a Boeing arrecadou não mais que alguns bilhões (US$ 3,8 bilhões) para entregar 80% da empresa e seus principais polos tecnológicos, ameaçando o emprego de milhares de trabalhadores. O processo foi firmado pela criação de uma joint venture entre Embraer e Boeing, onde a Embraer detém 20% e Boeing 80%, com toda a linha de aviões comerciais, forte da empresa brasileira, agora sob julgo americano.

A fragilidade e o entreguismo da burguesia brasileira ficam escancarados quando o negócio visa responder à concorrência com a Airbus, que comprou 50,1% do programa de jatos comerciais da canadense Bombardier, que concorre diretamente com a Embraer. Assim, será sob completa entrega das pesquisas, dos lucros e dos trabalhadores da empresa ao capital imperialista que a burguesia brasileira travará essa disputa por maiores lucros.

Sobre isso, o candidato a presidente ungido por Lula, Fernando Haddad (PT), aceitou que não fará nada para reverter a entrega, se eleito. No Centro de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, em São José dos Campos, disse: “Se houver possibilidade jurídica de revisão, com certeza nós faremos”, ressaltando, porém, que o acordo envolve um “acordo jurídico perfeito”, que não abre brecha para contestação, e que respeitará a decisão.

Ou seja, o máximo que o candidato que se dispôs foi esperar a permissão do mesmo judiciário que prendeu Lula arbitrariamente, usou da Lava-Jato para despedaçar a Petrobrás para o imperialismo abocanhar as partes. Um judiciário que é pró-imperialista, portanto, que se apoia em especial nos poderes sem voto do Estado (Judiciário e Forças Armadas) para impor seus interesses.

Essa impressionante disposição a inércia de Haddad se combina a um conjunto de sinalizações que tem feito ao mercado, em especial na sabatina do UOL, prometendo equilíbrio fiscal e uma reforma da Previdência inspirada em pontos da de Temer.

Todas são medidas de viabilizar a sua proposta de pacto aos golpistas, que convida o MDB e o PSDB a um governo “democrático” de revitalização do regime carcomido de 88, cuja instabilidade e ameaça da extrema-direita servirão de garantia de que cumprirá a agenda dos mercados, que será a mesma ou pior que a do golpe.

Ciro Gomes faz demagogia com a Embraer, dizendo que não aceitaria sua venda; entretanto, Mauro Benevides, assessor econômico da campanha de Ciro, afirmou durante o Exame Fórum, que das 148 estatais brasileiras existentes hoje, “cerca de 77 poderiam ser privatizadas” num governo do PDT. Aqui se assemelha à campanha de Alckmin, cujo assessor econômico, Pérsio Arida, afirmou que "não existe estatal estratégica" no Brasil. Assemelha-se a Haddad em sua proposta de ajuste fiscal e reforma da previdência.

Nem Haddad nem Ciro são alternativas para combater a extrema direita odiosa, que não pode ser derrotada pelo voto. Contra o pacto que o PT oferece à direita golpista e aos mercados, precisamos de uma saída de emergência, que entre outras questões possa garantir uma Embraer 100% estatal sob controle dos trabalhadores (coisa que nem Ciro defende): uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana.

Uma Assembleia que possa votar livremente pelo não pagamento da dívida pública; pela reestatização sob gestão dos trabalhadores e controle popular de todas grandes empresas estratégicas como a Petrobras, a Eletrobras, os serviços de água e transporte, que passem a ter licitações públicas transparentes e controladas pela população; uma Embraer 100% estatal sob controle dos trabalhadores; pela anulação de todas as leis reacionárias votadas pelos governos anteriores e a aprovação do aborto legal, seguro e gratuito; pela eleição por voto direto de todos os juízes e políticos, que passem a ganhar como uma professora e sejam revogáveis se traírem o mandato popular. Que todos os casos de corrupção sejam julgados por júri popular, assim como a abolição do Senado e a unificação em Câmara Única do Legislativo e do Executivo.

Será uma experiência que permitirá avançar na compreensão da necessidade de lutar por um governo dos trabalhadores que rompa com o capitalismo, exproprie a burguesia e socialize os meios de produção sob controle democrático dos próprios trabalhadores, que é a perspectiva estratégica pela qual nós socialistas revolucionários lutamos, e que defendemos nas candidaturas anticapitalistas do MRT.




Tópicos relacionados

embraer   /    Imperialismo   /    Eleições 2018   /    Haddad   /    PT   /    Poder Judiciário

Comentários

Comentar