UNIDADE

HISTÓRICO: Ato antifascista une corintianos e palmeirenses na Paulista

Eternos rivais em campo, neste domingo (31) corintianos e palmeirenses se juntaram em um ato antifascista com o objetivo de enfrentar manifestação pró-Bolsonaro, chamada para o mesmo dia e local.

segunda-feira 1º de junho| Edição do dia

A manifestação, que ocorreu às 13h no vão do MASP, foi organizada inicialmente pela Gaviões da Fiel, torcida organizada do Corinthians, mas teve adesão de torcidas de times rivais. Corintianos, palmeirenses, santistas e são-paulinos compuseram o ato com centenas de pessoas na Av. Paulista. Esse foi mais um protesto parte de uma articulação nacional das torcidas, que em diversos estados do Brasil, impulsionaram manifestações contra Bolsonaro.

Os protestos terminaram com forte repressão policial de João Doria em São Paulo, mas também no RJ, onde a torcedores do Flamengo que faziam frente a um ato pró-governo receberam bombas de gás da polícia racista de Witzel. Os governadores como Doria e Witzel, que vinham se mascarando no papel de “bons gestores” da crise sanitária, agora mostram ao que vieram colocando sua polícia para reprimir brutalmente manifestantes.

A mesma polícia que assassinou George Floyd nos EUA, aqui no Brasil, age sob comando dos governadores para oprimir negros e negras e trabalhadores, assim como garantir uma ordem para a manutenção do governo Bolsonaro. Além da própria polícia, os que agem por trás dela e que representam setores de empresários, como Doria e Witzel, são os mesmos que, meio a crise sanitária, não garantem o mínimo para sobrevivência - tanto EPIs, como liberação do grupo de risco. A situação só reafirma o quanto esses não estão do nosso lado.

Nós do Esquerda Diário cobrimos as manifestações e repudiamos totalmente a repressão policial, como também seguiremos levantando a campanha pelo Fora Bolsonaro e Mourão.




Comentários

Comentar