Mundo Operário

DEMISSÕES

Grupo espanhol dono da Zara fechará de 1200 lojas, demitindo milhares de trabalhadores

O grupo espanhol Inditex, maior varejista de roupas do mundo, dono de lojas como Zara e Massimo Dutti, anuncia que após queda das vendas e prejuízo no primeiro trimestre por conta da pandemia, com quase 90% de suas lojas fechadas durante o isolamento, irá fechar mais de mil unidades, deixando milhares de famílias sem salário

quinta-feira 11 de junho| Edição do dia

Não é a primeira nem a segunda vez que este monopólio varejista demonstra não se importar com seus trabalhadores, deixando claro que somente estão preocupados com seus lucros bilionários, tendo a Zara, por exemplo, sido denunciada e condenada por trabalho análogo à escravidão em suas linhas de produção em diversos anos, tendo que pagar multas milionárias, mas que para eles representa uma quantia insignificante em relação ao seu lucro líquido total, compensando pagar multas de vez em quando, enquanto continuam superexplorando o trabalho constantemente.

Pode te interessar: Trabalhadores enviam mensagem em etiquetas da Zara denunciando exploração

Neste momento de pandemia, em que uma parte da população é posta de quarentena, enquanto outra grande parcela é obrigado a continuar trabalhando, na maioria das vezes, sem proteção alguma, a Inditex reportou um prejuízo líquido de 409 milhões de euros nos três meses até o final de abril, em comparação com um lucro de 734 milhões de euros no mesmo período do ano passado. O grupo decidiu então por investir pesado nas vendas online, gastando um total de 900 milhões de euros por ano nos próximos 3 anos para melhorar sua tecnologia. O monopólio disse também que planeja abrir 450 novos pontos, avançando para um modelo de espaços maiores. A maioria das lojas menores que fecharão desta vez são as mais antigas, pertencentes a outras marcas que não a Zara.

A posição de caixa líquido da empresa ficou em 5,8 bilhões de euros no final de abril, em comparação com 6,7 bilhões em abril do ano passado, mais do que suficiente para manter o salário de todos os trabalhadores, mas como o que vale é o lucro de alguns poucos e não a vida da maioria, milhares de famílias serão jogadas ao deus dará.

É por isso que nós do Esquerda Diário defendemos que seja implementado uma medida de que nenhuma demissão seja permitida, sem corte ou redução nos salários e sem sobrecarregar os trabalhadores, juntamente com a defesa de um auxílio emergencial de 2000 reais, o mínimo que um trabalhador precisa para sustentar sua família com dignidade.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Demissões   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar