Juventude

O ESPIRITO DO COMUNISMO RONDA A UFABC

Grupo de Estudos Marx Voltou: para compreender e transformar o mundo

Neste próximo sábado, dia 30 de março, retornará os estudos do grupo "Marx Voltou" na UFABC. Lançado em março de 2018 para debater o marxismo revolucionário e a atualidade das ideias comunistas para responder a realidade, o grupo de estudos se reuniu ao longo do ano passado e debateu uma das obras mais conhecidas, o Manifesto do Partido Comunista, obra clássica de Karl Marx, o fundador do socialismo cientifico. Nas primeiras sessões, também foi exibida a websérie argentina Marx Voltou que inspirou ao nome do grupo de estudos.

Virgínia Guitzel

Travesti, trabalhadora da saúde pública e militante do grupo de mulheres Pão e Rosas

quarta-feira 27 de março| Edição do dia


(Exibição da websérie argentina Marx Voltou nos encontros de 2018).

Impulsionado pela rede internacional Esquerda Diário, pelo grupo de mulheres Pão e Rosas e pelo coletivo negros anticapitalista Quilombo Vermelho, queremos, em meio a enorme crise econômica que chega ao seu 11º aniversário, recuperar um fio de continuidade de um marxismo que compreenda a nossa época como a época das revoluções proletárias e fornece as armas preparatórias para intervir e garantir a vitória deste processo.

O grupo busca compreender o significado do capitalismo em sua fase superior de degradação - imperialista -, tendo de recorrer a figuras que bem expressam esta falência como Bolsonaro e Donald Trump. Retomar a história da luta de classes e a produção de intelectuais da classe trabalhadora que produziram conclusões destes processos de revolução e contra-revolução no século passado nos ajudam a preparar organizações próprias para a época imperialista, isto é, previamente preparadas para intervir nos combates decisivos, isto é, para fazer o trabalho de estratégia - que significa unificar os distintos combates táticos no âmbito parlamentar, sindical e dos movimentos sociais para alcançar um objetivo final, que para o marxismo revolucionário trata-se de fundar um governo de trabalhadores em ruptura com o capitalismo como um ponto de apoio para a revolução internacional, até sua fase mundial. Assim livrar a humanidade da exploração do homem pelo homem, da opressão pela diferença, das desigualdades, isto é, do capitalismo.

O grupo de estudos também buscará relacionar o estudo teórico com o cotidiano da vida política. No Brasil isso se dá no marco de um governo de extrema direita que alcançou a presidência através do processo eleitoral mais manipulado da história, pelo poder judiciário, as mídias e apoiado nas forças armadas. Como resposta para a crise econômica, esse governo busca descarregar a crise sob as costas da classe trabalhadora e do povo pobre, mas a verdade é que a Reforma da Previdência está longe de ser a salvação da economia brasileira, quando na verdade se trata de um ataque orquestrado entre os fatores políticos que hoje atuam no Brasil e os ditames do mercado financeiro.

PODE TE INTERESSAR: Bolsonaro mente: reforma da previdência ataca os pobres e protege empresários milionários

1° Encontro: 90 anos do Manifesto Comunista. E 81 anos depois?

Todo ódio as ideias marxistas que proclamam os políticos mais reacionários pelo mundo têm provocado um inesperado interesse ao redor de uma alternativa à sociedade capitalista, como apontam as pesquisas, cresce o número de jovens de 18 a 24 anos com preferência pelo socialismo. As mesmas decadentes "cruzadas contra o socialismo" ("imaginário num capitalismo concreto" - como diz a letra de uma música), a anti-cientifica ideia de terra-plana, movimento anti-vacina são só alguns dos sintomas do apodrecimento do capitalismo.

Para isso precisamos entender a atualidade das idéias de Marx e por que está cada vez mais em pauta, se trata de um legado em disputa. O grupo de estudos irá buscar "livrar os vivos, do peso dos mortos" evidenciando e compreendendo as falsificações e revisões que buscam distanciar o marxismo de um guia para ação revolucionária.

PODE TE INTERESSAR: A Comuna de Paris: seu legado político 148 anos depois

Neste primeiro texto, "Os 90 anos do Manifesto Comunista", escrito por Leon Trotsky, dirigente da Revolução Russa e fundador da IV Internacional em alternativa a falência estratégia da III, que sob a direção stalinista usurpou o poder das massas na ex-URSS e passou a atuar conscientemente no campo da contra-revolução internacionalmente, aborda-se os principais pontos levantados por Karl Marx e F. Engels no Manifesto do Partido Comunista de 1848, em meio a primavera dos povos. Trotsky buscará ressaltar os brilhantes métodos do marxismo como o materialismo histórico e a dialético, ao passo que evidencia a atualidade daquele panfleto e alguns de seus erros que merecem revisão, sem negar sua enorme contribuição.

Concordamos com Lenin de que "Não existe movimento revolucionário, sem teoria revolucionária", e queremos te convidar a resgatar conosco as lições da luta de classes internacional e ser continuidade deste movimento pela libertação do homem pelo homem.

E ai, vai perder?

30/03 – 10HRS
UFABC Santo André
Sala S-006-0

Leitura obrigatória:

90 anos do Manifesto Comunista

http://bit.ly/2trRqlJ
Para acompanhar o G.E: https://www.facebook.com/groups/112201336280766/
Contato: 11963189085
marxvoltouufabc.wordpress.com




Tópicos relacionados

Juventude

Comentários

Comentar