Política

ACORDO DE LENIÊNCIA DA J&F

Grupo da JBS continua "pechinchando" multa com Ministério Público e consegue desconto

Já é a quinta oferta que o J&F, grupo que controla a JBS, faz ao Ministério Público Federal (MPF) para tentar reduzir sua multa. Ainda que todas as ofertas tenham sido rejeitadas, o próprio MPF já reduziu a sua primeira proposta.

segunda-feira 29 de maio| Edição do dia

Parece inacreditável, mas enquanto Wesley Batista recebeu o completo perdão da justiça e a permissão para morar em seu apartamento de R$ 30 milhões nos EUA, o grupo que controla as ações da JBS continua pedindo redução da multa estipulada pelo acordo de leniência com a justiça.

O MPF esclareceu que a princípio havia estipulado a multa em 20% do faturamento anual da empresa, que, absurdamente, é o máximo previsto na Lei Anticorrupção (12.846/13) e no decreto 8.42/15, ou seja, a pena máxima para a corrupção de empresas que faturam bilhões com seus esquemas é perderem um quinto do faturamento de um ano! Isso, no caso da JBS, que enriqueceu não apenas às custas de corrupção, da compra de um terço de todo o congresso nacional com doações de campanha, mas também com financiamento bilionário do BNDES - mais dinheiro público! Essa fortuna foi construída sobre o suor dos trabalhadores e também com o desvio e roubo do dinheiro que deveria ir pra os serviços públicos essenciais.

Mas, mesmo esse valor de apenas um quinto do faturamento anual não foi mantido: o grupo J&F recebeu, a princípio um abatimento de 2% da multa pelo programa de integridade e da colaboração "parcialmente espontânea" (???) dos crimes. Depois da delação sofreram um novo abatimento de dois terços da multa porque eles colaboraram "efetivamente" com as investigações (o MPF parece seguir ao pé da letra o ditado que afirma: ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão).

Há pouco tempo divulgamos que o MPF, queria, portanto que a J&F pagasse o equivalente a 5,8% de seu faturamento total em 2016, um valor de R$ 11,169 bilhões. Mas eles mesmos reduziram o valor, estipulado agora em R$ 10,994 bilhões, sob a justificativa de que esse novo valor equivale a 6% do faturamento com o desconto de todos os impostos.

A J&F, no entanto, segue pechinchando: já fez cinco ofertas de valor para o quanto estaria disposta a pagar, sendo de R$ 700 milhões, R$ 1 bilhão, R$ 1,4 bilhão, R$ 4 bilhões e R$ 8 bilhões. É um completo disparate. Esse dinheiro foi ganho às custas dos trabalhadores, e deve ser devolvido. Defendemos a expropriação do grupo J&F e sua estatização sob controle dos trabalhadores. Esses acordos com a justiça apenas mostram como ela está sempre do lado dos capitalistas. Enquanto uma mulher com uma criança recém-nascida foi condenada a 3 anos e dois meses de cadeia por roubar um ovo de páscoa, os bilionários acionistas da J&F seguem tranquilamente negociando qual pena querem ou não pagar.




Tópicos relacionados

JBS   /    Corrupção   /    Política

Comentários

Comentar