Mundo Operário

ITÁLIA

Greve dos trabalhadores agrícolas migrantes na Itália: “Não somos animais para o abate”

A greve nacional dos trabalhadores agrícolas, convocada pelo sindicato USB, sacudiu o interior da Itália nesta quinta-feira, principalmente no sul.

sexta-feira 22 de maio| Edição do dia

Os trabalhadores agrícolas questionam o decreto de regularização temporária dos migrantes, que não oferece cobertura a centenas de milhares de trabalhadores e deixa intacto o sistema brutal de exploração no campo.

A greve foi um sucesso: os campos estavam desertos e a solidariedade também veio de outros setores de agricultores. Em Turín, Brescia, Cremona, Piacenza, Rimini, Livorno, Roma, Caserta e Reggio Calabria houve concentrações em apoio à greve.

A cidade de Torretta Antonacci, lugar histórico do assentamento de imigrantes “invisíveis” na província de Foggia, foi onde os trabalhadores realizaram sua principal manifestação ontem, chegando à casa do governo local com caixas cheias de frutas e legumes que eles colhem todos os dias. Em sua declaração, eles denunciam que são os que machucam as costas todo os dias para fazer a indústria agroalimentar funcionar, indústria tão elogiada e defendida pela ministra Bellanova durante a conferência de imprensa em que o “decreto de relançamento” foi anunciado.

Alguns dias atrás, a ministra Bellanova havia apresentado a regularização temporária dos migrantes como um passo “histórico” à frente. No entanto, quase 300 mil trabalhadores imigrante que compõem a força de trabalho rural, não poderão se beneficiar devido à falta de um contrato de emprego formal – estima-se que os imigrantes temporariamente regularizados sejam apenas metade dos imigrantes que precisam dessa regularização.

Diante dessa política governamental, que beneficia apenas empresários agrícolas, se mobilizaram milhares e milhares de trabalhadores, principalmente imigrantes africanos que trabalham nos campos do sul e que muitas vezes tiveram que viver em barracos, formando um verdadeiro exército de invisíveis num estado de semi-escravidão e completamente marginalizado por grande parte da sociedade italiana.

O sindicato do setor, USB Lavoro Agricolo, que organizou trabalhadores imigrantes em muitos lugares, especialmente no Sul, lançou uma greve nacional no setor na quinta-feira, 21 de maio. Está é a chamada:

Como frutas e legumes são considerados mais importantes que nós, cuidaremos de entregar cestas de produtos locais às prefeituras italianas, produtos da terra em que machucamos as costas todos os dias por alguns centavos, com jornadas de trabalho exaustivos, sem direitos nem dignidade.

São as caixas nas quais eles gostariam de nos manter trancados. Somos úteis quando se trata de pegar tomate e abobrinha para distribuição em larga escala nas mesas (não apenas as italianas), mas incomodamos quando pedimos direitos para as pessoas sem pensar na origem delas, como um salário decente, a capacidade de se inscrever no registro civil para ter acesso a um médico, moradia decente e a uma vida humana. O Decreto de Relançamento não permitirá aos trabalhadores agrícolas, ou a muitas outras categorias invisíveis e precárias, o direito à dignidade.

Na quinta-feira, 21, vamos entrar em greve. Pedimos aos consumidores e consumidoras que façam uma greve de compras ao mesmo tempo: sem compras de frutas e legumes, em solidariedade com as pessoas invisíveis do campo e dos bairros pobres italianos.

Pedimos aos agricultores e aos granjeiros, que também são esmagados pelo poder avassalador da distribuição em larga escala, que se juntem ao nosso protesto.

Na quinta-feira, dia 21, às 9 da manhã, o momento simbólico foi a marcha dos trabalhadores de Torretta Antonacci, que chegaram à Prefeitura de Foggia para entregar as preciosas frutas e legumes para o governo nacional. O mesmo aconteceu em muitas outras prefeituras italianas: de Brescia a Cremona, de Piacenza a Rimini, de Livorno a Reggio Calabria. Agradecemos a todos que apoiam nossa luta.

A referência nacional para essa mobilização, Aboubakar Soumahoro, é um ex-diarista da Costa do Marfim, que se tornou uma figura pública graças a confrontos com personagens como Matteo Salvini. Soumahoro condenou o falso interesse que os partidos do governo demonstraram na situação dos trabalhadores agrícolas: ministros e parlamentares se limitam a apoiar empresas e a ignorar a realidade de exploração e humilhação de dezenas de milhares de trabalhadores.

"Os ministros não calçam as botas" para ver com seus próprios olhos a situação dos trabalhadores rurais e "eles não fizeram essa regra para nós, eles fizeram isso porque estão interessados ​​em economizar legumes e frutas", denunciou Soumahoro.

Durante a manifestação que se estendeu de Torretta Antonacci a Foggia, foram vistos muitos cartazes e faixas destacando os slogans "para que os direitos não apodreçam" e "a dignidade e os direitos não perdem a validade".

Do sindicato USB, eles denunciaram que "o governo renunciou em garantir uma autorização de residência para todos os casos de emergência, conversíveis em uma permissão de trabalho, limitando-se a licenças temporárias para aqueles com requisitos rígidos".

“A USB Lavoro Agricolo envia uma mensagem ao governo que se define como o novo humanismo: se não houver respostas para todos os seres humanos que preenchem o campo e os subúrbios, haverá outras greves, outras mobilizações. E a próxima manifestação não ocorrerá no gabinete de um prefeito local, mas no Parlamento. O USB Lavoro Agricolo organizará em julho uma grande assembleia de todos os trabalhadores italianos e invisíveis, abertos a cidadãos, consumidores, agricultores, que será realizada em Foggia", disseram os organizadores.

A luta dos trabalhadores diaristas imigrantes é uma luta que mostra que os trabalhadores já começaram a responder a ataques e manobras dos patrões, apesar dos discursos de "unidade nacional" e "pacificação" do governo e dos patrões, que contam com a cumplicidade de grandes burocracias sindicais.

Agora, trata-se de trabalhadores que não intervenham de maneira dividida, entre nativos e imigrantes, ou setor por setor. Para resistir e combater a nova precariedade, a superexploração, as demissões em massa e a falta de segurança sanitária, a classe trabalhadora precisa usar toda a sua força e unidade na luta, para ir além das divisões impostas pelas burocracias sindicais e das fronteiras, desenvolvendo formas de coordenação e ação unitária em nível nacional e internacional.




Tópicos relacionados

Imigrantes   /    Mundo Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar