Política

TEMER NA DEFENSIVA

"Governo não é idiota" diz Temer defensivo em discurso regado à hipocrisia

Depois de falar que não iria aceitar ser chamado de golpista, Michel Temer fica “esquentadinho” de novo. Agora, o presidente golpista aproveitou uma cerimônia em Brasília, de ações de gestão para a melhoria da saúde pública na manhã desta quarta-feira, 14, para defender o indefensável governo, rebatendo o que ele chama de “versões mentirosas” de que seu governo vai reduzir recursos da saúde, educação e retirar direitos trabalhistas.

quinta-feira 15 de setembro| Edição do dia

Como diria Marx, “a prática é o critério da verdade”. E o governo golpista de Temer já provou na realidade qual o horizonte para a saúde, educação e a classe trabalhadora de conjunto. No mês de agosto o governo já havia sinalizado um corte de quase 50% no orçamento das universidades federais. Os cortes na área da educação não pararam por ai, o governo seguiu cortando programas como o “Mais Educação”, cancelando bolsas do programa “Ciências Sem Fronteiras” e aprofundando os ataques à juventude e pra educação pública.

“Não é o que se alardeia ou que se divulga, então se deixa de reproduzir a verdade dos fatos e isso cria problemas para nós. Porque, convenhamos, isso é desagradável de imaginar que nós somos um governo cidadão que, com o perdão da palavra tão estupidificada, tão idiota, chega ao poder para restringir os direitos dos trabalhadores, para acabar com saúde, para acabar com educação”, disse Michel Temer. Seu discurso, longe da verdade, esconde na realidade toda força de seus ataques que se expressam no ajuste fiscal e os diversos cortes em áreas sociais.

Sobre os comentários referentes aos ataques de seu governo e a jornada de trabalho de 12 horas diária, que ele diz ter sido um “mal-entendido”, Temer atribui a culpa às redes sociais, que “têm poder extraordinário; e eu vou combatê-los [os boatos]”, afirmou. O que se esconde no discurso de Temer é um combate que se traduz em repressão aos trabalhadores e à juventude que se coloca contra seus ataques, que nada possuem de mal-entendidos.

Um Congresso golpista para passar os ataques do governo

Temer também defendeu a PEC do teto dos gastos e a necessidade de que deputados e senadores tenham consciência da importância da proposta e que rebatam a versão de que ela irá restringir recursos para a saúde e educação. Ao que parece, o governo busca a melhor forma de passar os ataques e seus cortes enquanto se utiliza de toda demagogia no discurso de que “estamos agilizando o País; nós queremos o bem do País”, como disse Temer.

Entretanto, o “bem do país” que busca Temer é, na verdade, o bem dos empresários e grandes capitalistas; fazer com que trabalhadores e juventude paguem a crise enquanto negocia com o empresariado internacional a venda do país, como em sua visita aos EUA esse mês.

Temer vem com essa hipocrisia agora, mas isso só mostra sua defensiva. Se logo depois do golpe ele dizia cheio de si em "40 manifestantes" nas ruas, esses 40 se transformaram em 100 mil e agora ele precisa declarar publicamente que a luta nas ruas contra seu governo é baseada em mentiras, e que ele jamais atacaria os trabalhadores (disse o golpista enquanto ataca).

Como já dizemos em vários momento no Esquerda Diário, apenas com a organização de um forte plano de lutas dos trabalhadores e da juventude é que podemos enfrentar as privatizações e os ataques do governo golpista e colocá-lo abaixo. Por isso, exigimos que a CUT e CTB rompam sua paralisia e organizem em cada local de trabalho uma forte luta contra os ataques.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar