CRIME AMBIENTAL

Governo ignora óleo nas praias do nordeste e não aciona o Plano Nacional de Contingência

terça-feira 29 de outubro| Edição do dia

Sem ainda identificar de onde vieramas manchas de óleo nas praias, onde desde 30 de agosto já atingiram 249 localidades em 92 municípios dos nove estados do Nordeste, o governo segue com negligência sem acionar o Plano Nacional de Contingência Para Incidente de Poluição por Óleo – PNC.

Pela segunda vez o MPF tenta provar à Justiça que o PNC até o momento não foi acionado, o documento, assinado por procuradores da República de nove estado do Nordeste, alega que, para que plano seja colocado em funcionamento, se faz necessário o reconhecimento de material formal “da significância nacional do desastre ambiental”. Isso, segundo o MPF, não foi feito.

Ao contrário do que o ministro Ricardo Salles declarou, o comitê de suporte do PCN ainda não foi reunido. Mais preocupado em culpar a Venezuela pelo o derramamento de óleo, o governo Bolsonaro é responsável por extinguir o comitê que levaria adiante as propostas deste plano, que prevê a garantia da informação e transparência.

Leia mais: Novas manchas de óleo surgem no RN, desmentindo Mourão ministros de Bolsonaro

O governo reacionário de Bolsonaro, não está nenhum pouco preocupado com as famílias da região das praias nordestinas, onde a maioria vive da pesca, e muito menos com o meio ambiente, onde o crime ambiental contra toda essa população segue normalmente sem que ninguém pague por isso.

É preciso tomar como exemplo a luta de classe no Chile, onde a força da classe trabalhadora unida a juventude possa criar um movimento capaz de responder todo este regime político que massacra a população e extermina o meio ambiente.




Tópicos relacionados

Vazamento de óleo no Nordeste   /    Ricardo Salles   /    Crime Ambiental    /    Ministério do Meio Ambiente   /    Hamilton Mourão   /    Jair Bolsonaro   /    Meio Ambiente

Comentários

Comentar