Política

BENEFICIANDO OS EMPRESÁRIO DA LAVA-JATO

Governo de Pezão contrata sem licitação empresas investigadas na Lava-Jato para presídios

quarta-feira 11 de abril| Edição do dia

A Secretária Estadual de Administração Penitenciária – Seap fechou os olhos para a investigação da Lava Jato, e contratou sem licitação 3 empresas que estão sendo investigadas. As empresas beneficiadas são Cor e Sabor Distribuidora de Alimentos Ltda. O contrato é de R$ 9,4 milhões, a Cor e Sabor é dirigida por Luiz Roberto de Menezes, irmão de Arthur César de Menezes. Luiz Roberto já foi convocado a prestar depoimento na Polícia Federal para explicar um suposto esquema de fraude no fornecimento de quentinhas a presos.

A sua empresa foi citada na delação do ex-conselheiro do TCE-RJ Jonas Lopes de Carvalho de integrar um grupo que praticaria fraudes nas licitações do sistema penitenciário.

A Masgovi Indústria Comércio e Serviços, também faz parte da relação das empresas contratadas sem licitação. No atual contrato, a Masgovi ficou com um lote equivalente que vai render R$ 25,7 milhões para fornecimento de café da manhã, lanches noturnos e kit-lanche. Em dezembro, os acordos giravam em cerca de R$ 44,2 milhões. Em março de 2017, a Polícia Federal fez buscas na sede da Masgovi em uma operação da Lava Jato no Rio de Janeiro.

E a terceira empresa Comissaria Aérea. A terceirizada receberá R$ 12,8 milhões. A empresa foi investigada por ter integrado, junto com a Masan, o Consórcio Alimentar. Entre os sócios da Masan está Marco Antônio de Luca, que já foi preso pela Lava Jato no Rio de Janeiro acusado de corrupção e organização Criminosa.
Marco Antônio de Luca é suspeito de pagar propina ao ex-governador Sérgio Cabral para ser favorecido no fornecimento de merenda para escolas e "quentinhas" para presídios do estado.

Enquanto utiliza seu poder arbitrário para prender Lula e impedir que o povo decida em quem votar, a Lava-Jato nada faz contra os empresários que seguem lucrando milhões em negócios com o monstruoso sistema carcerário, no qual 40% dos presos sequer tiveram direito a um julgamento.

Sob o governo de Luiz Fernando Pezão (PMDB), o Rio Janeiro demonstra que está longe de se desvincular da corrupção das licitações, dando continuidade âs mesmas ações do ex-governador Cabral (PMDB) preso pela Lava Jato em 2016.

Hoje a cidade se encontra sob uma intervenção federal sob o pretexto de combate à criminalidade, uma política repressiva que foi implementada como continuidade do golpe de 2016. Sabemos que essa repressão está voltada na verdade contra a população trabalhadora, os jovens negros, e para aqueles que lutam contra essa intervenção e pelos direitos dessa maioria, como fez Marielle, morta por defender os trabalhadores e jovens negros oprimidos por essa intervenção.

É preciso que a classe trabalhadora e toda a juventude se unam para enfrentar esses ataques, que a cada dia se aprofunda mais. Pois os verdadeiros corruptos e bandidos, são aqueles que estão no governo tirando o direito de viver de cada trabalhador e jovem através da intervenção, da polícia e do desvio do dinheiro da educação, saúde e assistência para a mão dos grandes capitalista que já exploram e oprimem a classe trabalhadora.




Tópicos relacionados

Luiz Fernando Pezão   /    Operação Lava-Jato   /    Operação Lava Jato   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar