Educação

RIO GRANDE DO SUL

Governo Sartori deve atrasar 13° salário novamente

segunda-feira 20 de novembro| Edição do dia

No Rio Grande do Sul, o 13° salário de 2016 ainda não foi pago integralmante aos servidores do estado, e o governo sinaliza que os servidores, principalmente os professores que estão há três anos com o salário congelado (defasagem de 21,85%), terão um péssimo fim de ano, novamente sem presentes e dependendo de favor de parentes.

Nessa situação, o governo chantageia a população do estado, apelando para a aplicação do ajuste fiscal como moeda de troca para integralizar o 13º e os salários. Mas mesmo assim, como aponta matéria da Zero Hora, a situação dos professores e servidores não é nada garantida.

A todo momento a grande mídia reitera que nos bastidores do governo não se fala em outra coisa, o parcelamento do 13° salário em 24 meses caso não se venda as ações do Banrisul e não se aprove o plano de recuperação fiscal que na verdade não irá recuperar absolutamente nada. Muito pelo contrário, endividará ainda mais o estado do Rio Grande do Sul e entregará as empresas públicas do estado nas mãos da iniciativa privada.

Para barrar todos os ataques precisamos de uma ampla mobilização dos trabalhadores, apoiado na greve dos professores que segue em curso há mais de dois meses. Confiscar os bens dos grandes sonegadores, acabar com as isenções e taxar as grandes fortunas gaúchas é uma saída pela luta. Passa longe do Palácio Piratini essas alternativas enquanto o povo gaúcho não tomar as ruas superando a estratégia das centrais sindicais e da direção dos sindicatos, que é apenas desgastar o governo e não derrotá-lo, e exigir que os responsáveis por essa crise paguem por ela e não todo o povo trabalhador que move as engrenagens desse estado.




Tópicos relacionados

cpers   /    Sartori   /    Greve Professores RS   /    Porto Alegre   /    Caxias do Sul   /    Crise gaúcha   /    Educação

Comentários

Comentar