Economia

CUSTO DE VIDA

Governo Bolsonaro eleva bandeiras tarifárias da conta de luz, encarecendo custo de vida da população

terça-feira 21 de maio| Edição do dia

Foi aprovado nesta terça-feira (21) pela Agência Nacional de Energia Elétrica um reajuste nas bandeiras tarifárias, que serão cobrados na conta de luz e indicam aumento no custo da energia para a população e os trabalhadores que ja sofrem com a crise econômica.

O reajuste aponta aumento nos valores da bandeira amarela e vermelha, nos patamares 1 e 2. O patamar da bandeira vermelha 1 tem aumento de 33%, passa de R$ 3 para R$ 4 enquanto o patamar 2 tem aumento de 20%, passando de R$ 5 para R$ 6. O mais significativo foi na bandeira amarela que tem aumento de 50%, que deixando de custar R$ 1 e passa a ser R$ 1,50 por cada 100 quilowatts-hora (kWh). O objetivo segundo a Aneel é que essa mudança sirva para regular o custo extra cobrado durante os períodos em que a produção fica mais alta, aproximando a arrecadação com esse aumento do valor extra gasto na produção de energia.

A luz elétrica é um item básico que não chega para muitas casas de famílias no país, registrando uma triste marca da miséria, desigualdade e atraso do país. Com o aumento nas bandeiras mais família terão dificuldade de arcar com um custo crescente de um serviço básico. Isto pesa ainda mais nos bolsos dos trabalhadores que já sofrem com o pagamento da crise capitalista e a ameaça da perda de seus direitos através da reforma da previdência. É uma tentativa de aumentar o custo de vida enquanto ocorre uma desvalorização dos salários e é parte também de um mecanismo da burguesia para realizar seus ajustes, realocando o dinheiro para garantir lucros dos empresários e verbas para que os governos destinem aos cofres dos banqueiros.

Por isso, a solução está na luta pela estatização dos serviços de produção, transmissão e de distruibuição de energia sob controle dos trabalhadores e que sejam eles que fiscalizem os custos reais da produção. É necessário uma revogação imediata do reajuste e que os custos saiam dos lucros das empresas privadas do setor elétrico e grandes empresários.




Tópicos relacionados

Economia

Comentários

Comentar