Sociedade

SÃO PAULO

Governo Alckmin: 5.000 novas pistolas para milhares de novos assassinatos

Nos últimos anos, o Governo de Geraldo Alckmin (PSDB) protagonizou um dos maiores esquemas de corrupção no fornecimento de merendas para as escolas públicas, onde os alunos, em detrimento de terem uma alimentação saudável para estudar sem passar fome, se alimentando de biscoitos e lanches nada sustentáveis. Alem disso tentaram impor uma “reforma” do ensino médio, que projetava o sucateamento da educação pública, que graças a combatividade dos estudantes fez Alckmin recuar. Contudo, diante de tanta precarização e descaso com a educação, o governo paulista responde aperfeiçoando a letalidade da Polícia Militar.

Castor

Estudante Ciências Sociais USP

quarta-feira 17 de maio| Edição do dia

Imagem: R7. Polícia manipula cena de assassinato, disparando para o alto e também simulam disparo das mãos da vítima.

Enquanto nas escolas estaduais paulistas as condições de ensino e aprendizagem são péssimas, a Polícia Militar de São Paulo encaminha a compra de mais de 5.000 pistolas.40 importadas. Para o governo a política de aperfeiçoar cada vez mais o aparato repressivo que mata milhares de jovens negros todos os anos é prioritária, e em pouco mais de 5 anos, foi gasto 29 bilhões de reais em armamento pela Polícia Militar de SP. A PM paulista é a que mais gasta em armamentos, não a toa é a que mais mata no Brasil. A Polícia Militar é a que mais mata no mundo de acordo com relatório da Anistia Internacional feito em 2015.

Os gastos do governo de São Paulo com a compra de fuzis para as polícias neste ano já são 73 vezes maiores do que os realizados nos últimos dois anos. Em 2017, foram R$ 11,5 milhões investidos nesse tipo de armamento pesado, ante R$ 155 mil gastos em 2015 – em 2016, não houve compras. Os dados são da Secretaria Estadual da Fazenda, disponíveis no Portal da Transparência.

Essa "sofisticação" da capacidade assassina da polícia não é de hoje. Desde 2013, quando as manifestações de Junho fizeram o Choque recuar, as condições de aterrorizar e tirar a vida da juventude, principalmente a negra e pobre, aumentaram. De lá para cá, os policiais se transformaram em verdadeiros Robocops - novos cassetetes, escudos, capacetes bombas e armas “não letais” foram adquiridos de Israel e 6 caveirões blindados pelo valor de 30 bilhões de reais. A PM dizia que seriam usados em jogos de futebol e incêndios, um deles foi usado para reprimir estudantes e trabalhadores da USP no dia 28 de Abril.

Para poder comprar essas novas 5.000 Glocks (modelo de pistola preferido fabricados por uma empresa Austríaca) a PM já teve a autorização concedida por parte do Exército, faltando agora apenas o parecer da Procuradoria Geral do Estado. Um entrave, porém, é o próprio Estatuto do Desarmamento que proíbe a importação de armas que já são fabricadas nacionalmente, como é o caso das pistolas, que são fabricadas e fornecidas para PM, sobretudo pela Taurus, que ganha bilhões em contratos com o Estado brasileiro, sendo um grande monopólio bélico nacional que lucra graças a falsa “guerra às drogas” que encarcera e mata negros e pobres.

Entretanto, o modelo brasileiro não agrada muito, havendo muitas reclamações de falhas e problemas técnicos das pistolas produzidas pela Taurus, que inclusive sofreu uma sanção pelo governo paulista ano passado por problemas em fornecer mais de 6.000 submetralhadoras.40, ficando 2 anos impedida de realizar novos contratos com a corporação, motivo pelo qual o Exército justifica autorizar a importação de pistolas da Glock, que aumentarão a letalidade da polícia que já é a mais assassina do mundo.

Num momento de crise econômica, é essencial para o capitalismo a precarização da educação pública, com o objetivo de formar um exército de mão de obra barata pronto para aceitar quaisquer condições de emprego e aumentar ainda mais o lucro dos capitalistas, enquanto acumulam cada vez mais dinheiro, 13 milhões de brasileiros estão desempregados.

Diante da insatisfação e resistência da população contra as reformas de Temer, principalmente da classe trabalhadora que se colocou em cena no dia 28 de Abril, torna-se também essencial o fortalecimento dos braços repressores do Estado, como a PM, que quase matou um estudante com uma cacetada na cabeça e atirou na boca de uma criança a queima-roupa no dia 28A.

Cumpriu bem seu objetivo, e pretende aperfeiçoá-lo ainda mais, por isso encaminha a compra de pistolas importadas para intimidar e reprimir aqueles que lutam contra o governo seja de Temer, Alckmin e Dória e matar aqueles que em meio aos mais de 13 milhões de desempregados, acabam jogados na rua sem perspectiva e a merce do tráfico de drogas.




Tópicos relacionados

Alckmin   /    Repressão   /    Sociedade   /    Violência Policial   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar