Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Globo e agencias lucram milhões dos gastos do governo em propaganda contra aposentadoria

quarta-feira 7 de março| Edição do dia

Segundo informações da Lei de Acesso à Informações, o governo teria gasto entre 2017 a 2018 valores equivalentes a R$105,2 milhões em propagandas enganosas em defesa da odiada Reforma da Previdência.

Agora que o governo se provou incapaz de aprovar esse ataque, o gasto milionário é ainda mais execrável, pois significou um gasto público tremendo em mentiras contra o direito a aposentadoria que, apesar da reforma não estar descartada, e que serviram nada mais que para o lucro privado da Rede Globo, do SBT e de grandes agências de publicidade. O governo não divulgou com detalhes as quantias destinadas a cada um desses grandes canais de televisão, mas é mais que publico os convites ao programa do Silvio Santos e do Ratinho, além dos comerciais que passavam nos canais da Globo.

Cerca de 60% do valor dos comerciais foram destinados a canais de televisão, que receberam por volta de R$ 65 milhões. Ou seja, a Rede Globo e a SBT, principais parceiros midiáticos das contrarreformas do golpe, saíram com os bolsos cheios com essa campanha. A verba total das campanhas foi repassada a quatro agências de publicidade. Ou seja, foi um gasto do governo em favor dos grandes meios e agências de comunicação ganharem e muito para difundir desinformação sobre a Reforma da Previdência.

Veja abaixo a tabela dos gastos com agências privadas:

Um gasto vergonhoso, mas certamente não para Temer e os golpistas, que querem fazer acreditar que trabalhar até a morte é necessário, como se nossa aposentadoria tivesse algo a ver com a crise capitalista que eles criaram. A bolsa banqueiro, que suga mais de 40% dos gastos do PIB em juros da dívida com esses agiotas internacionais, nunca foi sequer mencionada pelos governos, que agora atuam a favor dos interesses dessa burguesia.




Tópicos relacionados

Nossas vidas valem mais que o lucro deles   /    Reforma da Previdência   /    Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar