Política

INTERVENÇÃO FEDERAL NO RJ

General especialista em repressão vai ser novo secretário de Segurança Pública do RJ

sexta-feira 23 de fevereiro| Edição do dia

Levantando as melhores indicações no quesito repressão, Braga Netto escolheu quem irá substituir o delegado Roberto Sá na Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, o general da ativa Richard Nunes. A indicação deve ser formalizada na terça-feira, dia 27.

Atualmente, Nunes é comandante da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Brasileiro (Eceme). Comandou entre dezembro de 2014 e fevereiro de 2015 a invasão do Exército no Complexo da Maré, na zona norte do Rio. A invasão durou um ano e três meses, colocou nas ruas cerca de 2,5 mil militares das Forças Armadas e durante esse período foram várias denúncias de abordagens incisivas, agressões verbais e físicas, casos de pessoas assassinadas e mutiladas por parte dos policiais.

O período em que Nunes estava a frente da invasão foi considerado um dos períodos mais tensos, com tanques circulando pelas favelas, trincheiras com sacos de areias e arame farpado e pelas ruas. Um verdadeiro clima de guerra e terror instaurado. Pesquisa realizada após a desocupação em 2015, mostra que 75% da população considerou a ocupação regular, ruim ou péssima e que 98,5% disse que jamais pediu qualquer tipo de auxílio ao Exército, o que demonstra a extrema desconfiança a partir das atrocidades que eram feitas.

Seguindo essa mesma tradição, Braga Netto escolheu o general Mauro Sinott como seu auxiliar, que também tem experiência com as “Forças de Pacificação” e invasão na Maré em 2014. Quando decretada a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no ano passado, foi Sinott quem ficou no comando do Exército e em setembro coordenou a invasão na Rocinha.

Terror: Rocinha é refém do cerco do exército e da polícia de Temer e Pezão

PM e Forças Armadas voltam a invadir a favela da Rocinha

Braga Netto ainda está decidindo quem vai ocupar os pontos de chefia da polícia civil e militar. Mas sendo parte das Forças Armadas ou não, o sentido desta intervenção não é outro senão instaurar a repressão com licença para matar, enquanto o caos social segue e o tráfico se mantém com o aval do próprio Estado.

Leia também:

4 fatos provam que os políticos não querem garantir a segurança com a intervenção no RJ

Exército revista mochila de crianças no RJ, mas criminosos de verdade estão em Brasília




Tópicos relacionados

Intervenção Federal   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar