PRIVATIZAÇÃO CORREIOS

General assume a presidência dos Correios para privatizar com Bolsonaro

O ministro das comunicações do governo Temer, Gilberto Kassab, decidiu que um general passaria a presidir a estatal dos Correios, tentando alinhar a empresa com o sucessor a presidência, Jair Bolsonaro, e seus planos entreguistas de privatização da empresa para pagar a dívida pública.

sábado 3 de novembro| Edição do dia

“Fiz a troca para facilitar a transição”, revelou Kassab. O general Juarez Aparecido de Paula Cunha substituirá Carlos Fortner na presidência dos Correios. Segundo o próprio Kassab, esse general é próximo de Bolsonaro e sua equipe. O PSD de Kassab não emitiu posição de voto nesse segundo turno, mas diversas figuras do seu partido fizeram campanha para Bolsonaro.

Bolsonaro e seu futuro superministro da Fazenda, Paulo Guedes, colocaram os Correios entre as primeiras do seu plano de privatização massiva, que terá início com a venda de 50 delas. Anunciam que o dinheiro arrecadado por essa entrega irá diretamente para pagar a dívida pública, que é ilegítima e fraudulenta, que é a principal fonte de riqueza dos grandes banqueiros internacionais, multibilionários às custas de anos de trabalho dos trabalhadores que ergueram essas estatais, além da verba da saúde e da educação.

Com esse general assumindo a "transição", Kassab pretende "azeitar" as negociações pela privatização dos Correios em diálogo direto com o futuro governo. Um ataque histórico, que ameaça o emprego de dezenas de milhares de trabalhadores da estatal e o atendimento à população, que já vem sendo sucateado como argumento para a privatização. Esses grandes bancos imperialistas, especialmente o capital norte-americano, são os principais patrocinadores do governo Jair Bolsonaro, e exigem além de privatizações arruinar o direito de aposentadoria com a Reforma da Previdência.

Os governos do PT pagaram 13 trilhões dos cofres públicos para o pagamento dessa dívida, que vale hoje algo como 5.5 trilhões. Ela já foi paga inúmeras vezes, agora Bolsonaro quer entregar tudo que for possível para seguir pagando novos trilhões. Os trabalhadores dos Correios, mesmo nos governos do PT foram alvo de medidas que retiraram seus direitos, demitiram, foram ainda mais atacadas em Temer, que facilitou a transição da empresa para a iniciativa privada sob comendo da extrema-direita.

Contra esse programa escravista de entrega da gigantesca empresa dos Correios, precisamos defender na luta que os trabalhadores sejam aqueles que administrem os Correios, que os Correios sejam 100% estatal sob controle popular, sem qualquer intervenção privada por parte de acionistas.




Tópicos relacionados

Paulo Guedes   /    Não ao pagamento da dívida pública!   /    Kassab   /    Bolsonaro   /    Dívida pública   /    Privatização   /    Correios

Comentários

Comentar