Economia

Gasto com planos de saúde dos deputados pagaria 6 milhões de testes de Covid-19 ou 920mil leitos

terça-feira 24 de março| Edição do dia

Os casos confirmados de coronavírus no Brasil já ultrapassam o número alarmante de 2.000 pessoas e 36 mortes registradas, segundo dados divulgados pelas secretarias estaduais de saúde dos estados ver. O número de contaminados cresce exponencialmente a cada dia. E o que tem sido feito para combater essa pandemia?

Por parte de Bolsonaro, essa pandemia é apenas uma “gripezinha”. Por outro lado, vemos grande ênfase no método medieval da quarentena, mesmo que hoje haja tecnologia desenvolvida o suficiente para controlar a doença. Além disso, é um fato que milhões de brasileiros hoje não conseguem fazer a tal da quarentena por necessidade de trabalhar para se sustentar como os entregadores de comida ou motoristas de aplicativos, algo inconcebível para a realidade do parlamento brasileiro.

A maior justificativa e maior mentira espalhada pelos capitalistas é ade que não há dinheiro para abrir mais leitos na UTI, para contratar mais trabalhadores da área da saúde, para realizar testes em toda a demanda ou nem mesmo para distribuir os itens essenciais, como máscaras, álcool gel e luvas. Debaixo dessa justificativa, há idosos, jovens e crianças morrendo por conta do coronavírus enquanto eles continuam lucrando.

Alguns dados

É escandaloso que o gasto com plano de saúde dos deputados que apenas brincam com os nossos direitos chegue a custar R$ 445 milhões. Sendo que apenas no primeiro semestre de 2019 foram retirados do dinheiro público R$ 93 milhões para custear assistência médica e odontológica desses deputados, já que eles podem pedir reembolso por procedimentos que não estejam contemplados no plano de saúde existente. Uma boa manobra para retirar dinheiro da população. Dentre esses dados, podemos adicionar a lei do teto de gastos, aprovada em 2017 por Temer. No mesmo ano em que se renovou o contrato de mais de R$ 400 milhões para cuidar da saúde dos 513 deputados, foi aprovada a lei do teto de gastos, que retirou apenas o ano de 2019, R$ 9 bilhões da saúde pública destinada aos mais de 200 milhões de brasileiros.

Agora, quantos testes é possível pagar com todo esse dinheiro destinado aos deputados? Segundo dados divulgados pelo gerente do programa de diagnóstico da Fiocruz, o valor mínimo poderia chegar a R$ 75,00. Logo, apenas com esse valor destinado ao plano de saúde dos deputados, seria possível a realização de 5,9 milhões de testes na população. E leitos de UTI no Sistema Público de Saúde? Segundo dados recolhidos pelo site do auditasus.com.br, a partir de cálculos feitos em 2019, o gasto com a diária de internação para a pneumologia sanitária (tisiologia) - o tipo necessário para aqueles que são contaminados com o coronavírus - é de R$ 483,54 reais. Novamente, com os milhões voltados para o parlamento, seria possível cobrir 920.296 diárias. Se estamos em uma situação alarmante de pandemia no país que só tende a piorar, como pode esse dinheiro ainda não ter sido revertido para a saúde pública?

É importante ressaltar que muitos casos de coronavírus ainda não foram diagnosticados, já que 79% da transmissão do vírus é feita a partir de pessoas assintomáticas, segundo uma pesquisa feita pela revista científica Science. Ou seja, a única forma de saber qual a quantidade real de contaminados hoje no país é o oferecimento de testes massivos para toda população. Apenas desse modo teremos uma quarentena verdadeiramente efetiva, em que seja possível identificar quem está contaminado ou não. Acontece que para retornar todo esse dinheiro a quem de fato o ergueu através do suor de seu trabalho, é necessário tirar o controle das mãos dos capitalistas e empresários. Essa corja apenas visa seu lucro, exploram todos os dias milhões de pessoa, mas não dão a mínima para a saúde da população. São os trabalhadores mais o conjunto da população que precisam decidir as medidas a serem tomadas para combater essa pandemia e para onde vai o dinheiro público. Além de ser fundamental e urgente voltar toda produção das indústrias para a criação de aparelhos respiratórios, máscaras, álcool gel e todos os itens necessários.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Saúde Pública   /    Câmara dos Deputados   /    Saúde   /    Economia   /    Política

Comentários

Comentar