CHILE

"Fuera Piñera!" Mobilizações massivas marcaram esta última terça no Chile

Centenas de milhares de pessoas se mobilizaram durante o dia de ontem, terça-feira em nível nacional, contra o governo Piñera e sua repressão.

quarta-feira 30 de outubro| Edição do dia

Santiago

Em Santiago, centenas de milhares saíram às ruas novamente, desafiando a "normalidade" que Piñera está tentando impor, após 11 dias do início da revolta social no Chile. A mudança do gabinete ministerial feita pelo governo não conseguiu conter as mobilizações, pelo contrário, gerou a rejeição de milhões de pessoas em todo o país, que vêem essa medida como um movimento para tentar "acalmar as águas" e não responder às demandas estruturais exigidas pela população.

As concentrações em direção a La Moneda começaram no início da manhã desta terça-feira, com a greve dos trabalhadores da educação infantil contra o projeto de berço universal do governo de Piñera. Educadores de berçário se mobilizaram na Plaza Italia para La Moneda, exigindo que Cubillos se demitisse de sua posição intocável no gabinete ministerial; Além de exigir que Piñera renunciasse à presidência .

No entanto, a repressão da polícia fez com que os trabalhadores se dispersassem, mas novamente eles se juntaram às ruas junto com os trabalhadores da saúde do Hospital Barros Luco e sindicatos de professores e profissionais da educação, sendo uma dúzia milhares na Alameda.


Por volta das 16h30, centenas de milhares de trabalhadores, jovens, e mulheres manifestaram-se na Plaza Italia gritando "Piñera vai cair", mas os militares impediram a mobilização, apesar da resistência de um grande setor de manifestantes .

Antofagasta

Durante a manhã desta terça-feira, Karen Rojo (UDI), a prefeita de Antofagasta, enviou para reprimir o levante de estudantes da Escola Liceo de Niñas Marta Narea, votado pelos estudantes contra o governo Piñera, enviando policiais não identificados e armados com fuzis para assustá-los.

Após esse evento desastroso, foi realizada uma demonstração massiva para exigir a liberdade dos alunos detidos dentro de estabelecimentos educacionais, depois que os policiais o despejaram violentamente.

A presidente do Colégio de Professores da comunidade de Antofagasta e porta-voz do grupo de ensino Nuestra Clase, Patricia Romo, denunciou a brutalidade da polícia com a detenção de estudantes e líderes estudantis poucos dias depois do levantamento da Lei de Emergência e da violação de leis e os direitos das meninas, meninos e adolescentes.

Valparaíso

Mais uma vez foi sentida a repressão da polícia, principalmente na rua Pedro Montt, e em locais adjacentes ao Congresso Nacional, onde bombas de gás lacrimogêneo e tiros aos manifestantes foram distribuídos à esquerda e à direita, como tem sido o tônico deste último dias em que as forças repressivas foram superadas pela enorme rejeição e repúdio popular ao governo de Sebastián Piñera, e onde sua manobra de mudança de gabinete não passa de uma manobra ao povo trabalhador.

As massivas marchas que atravessam Viña del Mar, Valparaíso, até a chegada ao Congresso Nacional, foram realizadas em diferentes ocasiões durante a última semana. Além disso, estudantes da cidade de Valparaíso fizeram uma ampla convocação ao movimento estudantil impulsionar atos e greves em apoio a mobilizações nacionais Esta iniciativa foi fortemente promovida pelos jovens que compõem a agrupação Vencer.

Temuco

Mais de 5.000 manifestantes estiveram presentes em uma mobilização massiva convocada pelas comunidades mapuche no centro da cidade de Temuco contra o governo Piñera. Nesta marcha, os funcionários da educação infantil também se comprometeram a questionar o projeto universal da sala de berços do governo.

A atividade culminou com a derrubada do busto de Pedro de Valdivia, como símbolo de libertação dos anos de repressão e opressão originados após a conquista espanhola.

Concepción

Centenas de jovens e estudantes manifestaram no centro da cidade, no entanto, a violenta repressão dos policiais afetou os participantes após jogarem bombas de gás lacrimogêneo no meio da Plaza Independencia.

Essa dinâmica de mobilizações massivas vem ocorrendo há mais de uma semana, e a resposta do governo Piñera, além de ser uma brutal repressão e criminalização dos manifestantes, está sendo dominada pela mobilização nas ruas - com o apoio da chamada "oposição" - uma linha que tenta conter o movimento através do falso discurso do "diálogo social", de um "novo pacto social"; Além de ter anunciado uma série de medidas-migalhas que de modo algum respondem aos problemas estruturais que afetam a grande maioria, ou ao que vimos com a recente mudança de gabinete.

Por sua, o Partido Comunista e a Frente Ampla têm promovido a política de "diálogo social", pedindo ao governo Piñera que os inclua nas conversações e acordos, juntamente com os partidos da antiga “Concertación”; e agora, por último, colocaram no centro a medida de "acusação constitucional" - que apresentarão nesta quarta-feira - contra o ex-ministro do Interior Andrés Chadwick.

Além disso, no "Conselho da Unidade Social" - dirigido pela Frente Amplio e pelo Partido Comunista - de maneira escandalosa, eles retiraram do programa de desemprego o "Fuera Piñera" e agora "colocam" as "autoridades que não dimensionam a grave crise que enfrentamos (…) para pronunciar sobre uma agenda de direitos.”

Isso é explicado pela política desses partidos, que vieram reproduzir e ecoar a campanha da direita e a nova porta-voz Karla Rubilar contra os "violentistas". Os porta-vozes do PC e da Frente Ampla ecoaram o pedido de ordem do governo ontem, como relatamos neste artigo.

É essencial exigir das principais organizações dos trabalhadores, do movimento estudantil, aposentados e pensionistas, convoquem uma greve geral contínua e ativa até que o governo Piñera caia e todo esse regime herdado da ditadura de pinochet.

A luta para formar assembléias, coordenações e comitês de combate, é um caminho que as burocracias não desejam, é projetada para desenvolver forças desdobradas que impõem um caminho favorável para os explorados e oprimidos do país, o que permitirá avançar na organização de uma greve geral contra Piñera e impor um constituinte verdadeiramente livre e soberano, para que sejam as pessoas que realmente decidem, e não que decidam o mesmo de sempre nas antigas instituições, que procuram fazer tudo para que seus privilégios e negócios sejam mantidos.




Tópicos relacionados

Sebastián Piñera   /    Luta de Classes   /    Chile

Comentários

Comentar