Política

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO

Frente parlamentar em defesa da Carris é instalada na Câmara em Porto Alegre

Nesta terça (16) ocorreu a primeira reunião da Frente Parlamentar em Defesa da Carris e do Transporte Público, que pretende acompanhar e fiscalizar a gestão da empresa pública, contra sua privatização. Ocorreram dois encontros entre vereadores e rodoviários na manhã e na tarde.

quarta-feira 17 de maio| Edição do dia

Por iniciativa dos vereadores Roberto Robaina (PSOL) e Paulinho Motorista (PSB), foi instalada na Câmara de Vereadores em Porto Alegre a Frente Parlamentar em Defesa da Carris e do Transporte Público.

Estavam presentes os vereadores Alex Fraga, Fernanda Melchionna (PSOL), Marcelo Sgarbossa (PT), Sofia Cavedon (PT), Aldacir Oliboni (PT) e André Carús (PMDB). O deputado estadual Pedro Ruasl (PSOL) e Luciana Genro (PSOL) também compareceram. Estive presente Isaac Ferreira Marques, representandte do Serviço de Atendimento ao Cliente da Carris, além de diversos rodoviários.

Os parlamentares ressaltaram a necessidade de combater a privatização da Carris que Marchezan pretende implementar, como parte de um projeto de privatização da cidade de Porto Alegre. Foi ponto de destaque também nas falas as perseguições e o assédio moral sofrido pelos trabalhadores da Companhia.

Fernanda Melchionna ressaltou que o plano de privatização da Carris é parte de um projeto de desmonte da cidade promovido por Marchezan. A vereadora também denunciou o terrorismo do prefeito contra os municipários, ameaçando parcelamento de salários, corte de ponto e reprimindo os trabalhadores que se mobilizam.

Como primeiro encaminhamento, a Frente Parlamentar irá solicitar uma reunião com a direção da empresa, cobrando diálogo com a Comissão de Funcionários, que chegou a ser proibida de se reunir. A Frente ouvirá também denúncias de perseguição e assédio moral aos trabalhadores, e pretende investigará os balanços financeiros da Carris e as denúncias de falta de peças para a manutenção dos ônibus.

A iniciativa dos vereadores deve servir de ponto de apoio à luta dos trabalhadores em defesa da Carris e contra o desmonte da empresa. Da mesma forma, a Frente deve estar à disposição dos rodoviários para denúncias do autoritarismo da atual gestão da empresa. A ditadura que Marchezan vem implementando, vigiando as redes sociais, proibindo reuniões e promovendo demissões na Carris serve para intimidar os trabalhadores. O prefeito pretende entregar a Carris à máfia dos transportes da capital calando e demitindo os rodoviários que se levantem contra essa medida.




Tópicos relacionados

Marchezan   /    rodoviários poa   /    Porto Alegre   /    Privatização   /    Política

Comentários

Comentar