Internacional

CRISE ECOLÓGICA

França: O que expressa a onda verde nas eleições municipais?

Em eleições marcadas por uma abstenção histórica, o partido verde (EELV) se destaca como o grande vencedor dos governos municipais franceses. Uma onda verde que surge em um oceano de abstenção, no contexto de crise na saúde e da crise do capitalismo. Que significado podemos atribuir a isso?

terça-feira 30 de junho| Edição do dia

Crédito da foto: Bertrand Guay / AFP

Os Verdes conquistam grandes e médias cidades

Lyon, Marselha, Bordeaux, Estrasburgo, Poitiers, Besançon, Tours ... Conquistas significativas para o Europe Écologie Les Verts (EELV), especialmente nas grandes cidades, tornando quase unânime tanto entre os editoriais quanto entre a oposição política: uma onda verde está surgindo.

Esse sucesso é tal que os Verdes conseguiram, inclusive, o feito de entrar em certos municípios que eram ancorados pela direita por décadas. Em Lyon, Grégory Doucet (EELV) predominou amplamente nesse feudo de Gérard Colomb(LREM, partido de Macron), com quase 22 pontos de diferença em relação ao candidato apoiado pelo ex-ministro de Macron. Em Annecy, o candidato verde, apoiado pelo Partido Socialista (centro) e um ex-LREM, superou o apoiado pelo LR (principal partido político de direita) e pelo LREM por alguns votos. Em Besançon, Anne Vignot, à frente do bloco EELV, PS, PCF e Génération.s, foi eleita com 43,83%. Em Poitiers e Estrasburgo, eles também venceram com folga. Em Bordeaux, Pierre Hurmic conseguiu tomar a prefeitura historicamente dirigida pela direita.

Na maioria dessas cidades, a EELV liderou várias coalizões de união da esquerda. Às vezes com o PS, o PCF, LFI ou Génération.s e vários coletivos populares. Uma estratégia ancorada na "esquerda", que valeu a pena para os verdes, mas que não deve nos fazer esquecer que a formação ecologista não se recusa a fazer alianças com o partido no poder quando a oportunidade surge. Este é particularmente o caso em Auxerre, onde o candidato dos Verdes, Maud Navarre, apoiou o prefeito Guy Férez, apoiado pelo LREM e pelo PS, todos com a bênção da gestão regional da EELV. Uma expressão do "nem de direita e nem de esquerda", adorado pela sigla ecologista, que até mesmo se inscreveu com prefeitos de direita, como Yannick Jadot (EELV) fez e reivindicou em 2019.

Uma expressão de aspirações profundas em relação à crise climática...

Embora capitalizada pela ecologia liberal, essa onda verde ilustra as aspirações crescentes da população por soluções para a crise climática. Uma conscientização expressa pela primeira vez pelas mobilizações pelo clima, ilustradas pelo slogan "fim do mundo e fim do mês, a mesma luta", antes de ser exacerbada como resultado da pandemia mundial. Uma crise sanitária histórica que ilustrou com força os estragos do capitalismo e que, pelos efeitos colaterais do confinamento, destacou o impacto da produção capitalista no planeta, por exemplo, reduzindo drasticamente (embora temporariamente) as emissões de gases de efeito estufa.

... Que se incorporam na ecologia liberal, totalmente alinhada com o capitalismo

Porém, se essa consciência ecológica estiver se enraizando mais profundamente, a solução não virá daqueles que, como a EELV, se recusam a transformar a sociedade, preferindo falsas medidas verdes que estejam totalmente alinhadas com o capitalismo.

Enquanto escrevemos, a EELV pretende conciliar a economia de mercado com algumas propostas (embora irrisórias) de reformas sociais e ecológicas. Um programa compatível com o capital e que busca apelar aos capitalistas de "boa vontade" para se tornarem atores-chave da mudança climática: "não reivindicamos uma economia administrada, mas um modelo de economia plural, compatível com a proteção do planeta e regulamentado pelo poder público (...) Um modelo no qual as empresas ‘cuja atividade é virtuosa para o meio ambiente’ são vistas como ‘aliadas’ da transição ecológica".

Bordeaux em Luta com 10%: o anticapitalismo como uma resposta real à crise climática

Em Bordeaux, o candidato verde venceu a prefeitura historicamente de direita. Com uma contagem muito apertada de 46,48% para Hurmic (EELV) e 44,12% para Nicolas Florian (LR), o prefeito de saída. Enquanto isso, apesar da chantagem de divisão da esquerda, Philippe Poutou (NPA) e sua lista Bordeaux em Luta foram capazes de se defender das falsas soluções do candidato da EELV. E valeu a pena, já que a lista anticapitalista obteve 9,39% dos votos. Como explica destacadamente o programa do Bordeaux em Luta: “a devastação ecológica se tornou uma realidade incontestável”.

“Cabe a todas as organizações da sociedade integrar a necessidade de preservar os recursos naturais e a de garantir o respeito pelos ecossistemas. Resumir a ação ecológica a plantar algumas árvores é esconder o rosto e condenar as gerações futuras. A preservação do meio ambiente, que não se limita às lutas climáticas, passará por uma ruptura real com o capitalismo.”

Como coloca a chapa Bordeaux em Luta, a ecologia só pode ser anticapitalista. A EELV não ataca o capitalismo, responsável pela dramática situação dos ecossistemas e que está causando os incêndios na Austrália, a invasão de gafanhotos na África Ocidental, Índia e agora Argentina. A preservação do meio ambiente, que não se limita às lutas climáticas, passará por uma ruptura real com o capitalismo.

Se as aspirações ecológicas se voltaram para a ecologia liberal, o próprio sucesso do Bordeaux em Luta, em oposição à EELV, ilustra a natureza radical a que essas aspirações podem levar. Consciência de que a crise ecológica está diretamente ligada ao capitalismo.

Publicado no Revolution Permanente, portal francês irmão do Esquerda Diário.




Tópicos relacionados

mudanças climáticas   /    Crise capitalista   /    NPA   /    Ecologia   /    Internacional

Comentários

Comentar