Política

REPRESSÃO

Fotógrafo que perdeu o olho em protestos em SP tem a indenização negada pela justiça

O fotógrafo Sérgio Silva, 36, pela segunda vez recorre a justiça por ter perdido o olho esquerdo na manifestação em São Paulo, em 2013 tem o pedido negado e não vai ser indenizado. O fotógrafo relata que teve o olho atingido por uma bala de borracha disparada pela polícia militar.

quarta-feira 29 de novembro| Edição do dia

FOTO: UOL

Mesmo com fotos do acidente e o Relato do fotógrafo, a justiça alega logo após o pedido de indenização de R$1,2 milhão e pagamento de pensão, que não há provas de que Sérgio foi atingido por uma bala de borracha disparada pela polícia.

"Mesmo que a situação seja dramática, não é possível desvendar que o objeto que atingiu seu olho esquerdo seja uma bala de borracha", afirmou, o desembargador João Batista Morato Rebouças de Carvalho.

O fotógrafo disse que ficou um ano sem trabalhar e foi obrigado a se readaptar, fisicamente e psicologicamente depois de ser atingido na noite da manifestação de junho de 2013.

O protesto era contra o aumento da tarifa dos transportes públicos no Estado, e o fotógrafo Sérgio Silva estava fazendo uma reportagem quando os policiais começaram a usar a violência para dispersar os manifestantes que resistia no local contra esse profundo ataque.

"Fico revoltado. Porque eu sei e milhares de pessoas sabem o que aconteceu naquela noite de 13 de junho. O que se ouve aqui hoje é que você não tem prova, nexo causal, de que foi o agente do Estado que atirou. Aí fica a pergunta: quem manipula bala de borracha? Quem são as pessoas feridas naquela noite? O tempo está passando e isso está legitimando aquela ação
policial naquela noite", disse Sérgio.

O desembargador Oswaldo Luiz Palu, disse que, além da falta de provas, o fotógrafo assumiu riscos ao ir ao protesto.

"Não é justo que o contribuinte do Estado pague pelo que aconteceu", disse. O magistrado afirmou que, assim como repórteres de guerra assumem o risco ao ir até os locais de conflito, Sérgio Silva também o fez.

Em defesa de Sérgio, foi coletado 70 mil assinaturas pedindo a indenização é contando como provas de que ele havia sido de fato atingido pela polícia. O Juiz disse que precisaria de mais tempo para analisar o documento. E, foi adiado mais uma vez em 27 de setembro de 2017.

O fotógrafo desabafa que sua rotina tem sido muito desgastante pois ele precisa tomar mais cuidado para fazer qualquer atividade, até a mais simples, como atravessar a rua, e para exercer o seu trabalho ficou muito complicado. É um absurdo que a justiça esteja protegendo o estado e a polícia frente a todos os casos que ocorreram durante as manifestações de junho de 2013. Uma brutal repressão da polícia que deixou várias pessoas feridas pelo simples fato da resistência de uma população que não aceita os ataques que estamos enfrentando com a saúde, a educação, com o transporte, com as reformas, e com as PECs que estão sendo implementadas para arrancar da raiz conquistas históricas. Seguimos firmes ocupando às ruas contra os golpistas, contra a repressão do estado e o capitalismo que é um sistema de misérias.

FONTE: UOL




Tópicos relacionados

PM   /    Jornadas de Junho   /    Repressão   /    Violência Policial   /    Política

Comentários

Comentar