Sociedade

REACIONÁRIOS PROTEGIDOS DETRÁS DAS TELAS

Fórum virtual de direita comemora ameaça a estudantes da USP e aponta suposto autor

quinta-feira 7 de dezembro| Edição do dia

Após a expulsão do presidente da Frente Integralista Brasileira (FIB) de um evento da USP em que iria fazer uma apresentação, diversas ameaças de grupos de extrema direita começaram a ser direcionadas a estudantes da universidade.

A que causou maior repercussão foi enviada por e-mail para a universidade e continha a ameaça de um massacre à mão armada de teor machista e LGBTfóbico, com ameaças aos estudantes em geral, mas em específico a uma funcionária da Faculdade de Letras.

O site Ponte apurou que em um fórum de direita na internet denominado "Dogolachan" houve uma comemoração dos membros em relação ao "sucesso" da ameaça, e um perfil falso celebrava, além disso, o fato de ter atribuído a um outro membro do fórum a autoria da ameaça: Todos aqueles que tentaram ferrar com o Mallonne, como este macaco, com isso de ‘eu combato a pedofilia’, desejo do fundo do meu coração que se foda lindamente. Agora, esse babaca desse Murilo está com o nome sujo no Google. Esse cara vai ter problemas quando tentar tirar o visto americano".

Outro perfil propõe transformar a ação em um método para criminalizar pessoas de quem não goste: “como destruir a vida do seu desafeto com um único email”. “Crie uma conta o nome do seu desafeto no protonmail [serviço de correio eletrônico criptografado]; Ameace fazer um ataque em uma universidade, mencione o ISIS para trazer mais credibilidade; lucro!”.

Murillo Ianelli Chaves, a quem foi atribuída a autoria da ameaça, alega ter sido vítima da falsidade ideológica devido ao fato de combater membros do próprio Dogolachan, do qual é também frequentador, que atuam disseminando pedofilia na internet.

De acordo com o Ponte, um frequentador do Dogolachan afirmou ter "100% de chance" de que o real autor do e-mail seja o hacker de extrema-direita Marcelo Silveira Mello, já condenado por crimes de ódio na internet, tais como a publicação de mensagens racistas em uma comunidade virtual da Universidade de Brasília em 2009.

A blogueira feminista Lola Arnovich, autora do "Escreva Lola, Escreva" também reuniu provas de que Marcelo é autor de crimes de ódio contra ela. Ela afirmou ao Ponte: “Acredito ter juntado várias evidências ao longo dos anos provando que Marcelo é o autor do chan (fórum), já que há coisas a que só ele pode ter acesso. Além disso, este é o modus operandi da quadrilha misógina chamada Sanctos: fazer doxxing [prática virtual de pesquisar e de transmitir dados privados (especialmente informações pessoalmente identificáveis) sobre um indivíduo ou organização] para poder atacar e ameaçar desafetos e criar sites e e-mails falsos para tentar incriminar os inimigos”, sustenta Lola, em entrevista à Ponte. O Marcelo fez ameaças parecidas à UnB em seu outro site de ódio, o que o levou à prisão. Anteontem (segunda-feira, 4/12), antes dos veículos de comunicação divulgarem a notícia da ameaça, o chan já exibia um print com a ameaça em si, comemorando. Um dia antes, a quadrilha falava abertamente sobre tentar incriminar esse Murilo, que eles colocaram como autor do e-mail, porque ele conseguiu abrir um inquérito contra eles em Guarulhos, em novembro”.

Um frequentador anônimo do Dogolachan deu também um depoimento ao Ponte: Realmente, esse é o modus operandi deles. Não gostam desse Murillo. Eles estão zoando ele por ser pouco direitista/direitista não digno e, se você acompanhar por uns momentos, vai ver que os alvos deles são 70% eles mesmos e 30% alvos externos, tipo a Lola. Eles simplesmente queriam trazer vergonha e desgraça pra pessoa."

Quanto mais fundo se cava esse buraco, mais nojenta se mostra toda a comunidade ligada a esse episódio e ao grupo integralista e sua defesa. De machistas e LGBTfóbicos, passando por monarquistas e chegando a hackers pedófilos, a direita mostra que reúne o que há de mais abjeto e se unifica em defesa própria.




Tópicos relacionados

internet   /    SINTUSP   /    Machismo   /    Homofobia e Transfobia   /    Sociedade   /    USP

Comentários

Comentar